Últimas Notícias

As Crises

Fui procurar no dicionário o significado da palavra ‘crise’. Encontrei muitos significados. Escolhi este: ‘Uma crise é uma mudança brusca ou uma alteração importante no desenvolvimento de um qualquer evento/acontecimento. Essas alterações podem ser físicas ou simbólicas. Crise também é uma situação complicada ou de escassez.’

Ninguém pode negar que estamos numa situação complicada. Então, estamos em crise. E daí? E daí a gente enfrenta. É a nossa principal missão.

Para ser franco, estou incomodado, mas não estou apavorado. Em minha não tão curta vida, já enfrentei várias crises, várias situações complicadas ou de escassez. E estou aqui escrevendo esta crônica.

A primeira crise de que me lembro ocorreu aos cinco anos de idade. Sem saber direito o que estava acontecendo, cheguei ao Brasil, um país diferente, com língua diferente, com costumes diferentes, com alimentação diferente, com clima diferente, com tudo diferente. Superei.

A segunda crise de que me lembro ocorreu aos onze anos de idade. Como em Pardinho, onde eu morava, só existia a escola primária, meu pai me mandou para Botucatu para estudar. Fui morar numa pensão. Foi um dos piores tempos de minha vida. Imaginem uma criança de onze anos morando numa pensão de adultos, tendo responsabilidades de se virar e se dar bem nos estudos. Não me dei bem nos estudos, mas superei.

A terceira crise ocorreu aos dezessete anos de idade. Foi quando, por dificuldades financeiras, tive que abrir mão de meu sonho de ser médico. Foi barra! Engoli a seco e me tornei professor, ao mesmo tempo que trabalhava na rádio. Propus-me a ser o melhor professor possível. Comecei a ser professor em 1968 e continuo até hoje. Superei essa crise também e sou muito feliz e realizado na profissão.

A quarta crise ocorreu bem mais tarde. Já tinha mais de trinta anos, quando, num acidente doméstico, perdi uma parte do meu pé. Não foi fácil. Mas me propus a não sofrer com a dificuldade e não deixar sofrerem as pessoas que me amavam. Superei.

Mais tarde, passei, como todos os brasileiros, pela crise da era Sarney. A inflação chegou a superar os 80% ao mês. Era um desespero. A gente recebia o salário e, logo de manhã, ia fazer todas as compras do mês,

pois, se deixasse para o período da tarde, os produtos já estariam de dois a três por cento mais altos. Terrível, mas superei.

Daí veio a era Collor, o tal ‘caçador de marajás’, mas que foi, na realidade, o caçador do nosso dinheiro. Tudo aquilo que a gente tinha acumulado durante toda a vida foi confiscado pelo governo. O Brasil inteiro ficou pobre. Perdão, não ficaram pobres os ‘amigos do rei’, que tinham informação privilegiada. Superei.

E agora estamos vivendo a crise do coronavírus. Estou aqui confinado em meu apartamento. Estou incomodado, mas não revoltado. Estou procurando seguir todas as orientações dos especialistas. Não quero ser vítima do coronavírus nem vitimar outras pessoas. E depois dessa crise virá outra muito ruim. Será a crise econômica. Pouco dinheiro e poucos empregos. Mas estou certo de que superaremos tudo isso.

Só não pode ocorrer o que está ocorrendo, com algumas pessoas que não percebem a gravidade do momento e estão preocupadas com questões menores. Estou percebendo pessoas mais preocupadas com Bolsonaro ou Lula do que com a saúde. Estou percebendo pessoas mais interessadas em falar do Dória do que conseguir informações úteis para não serem surpreendidas pela doença. Estou percebendo pessoas mais preocupadas com as próximas eleições do que com a vida. Bolsonaro, Lula e Dória sobreviverão sem as nossas críticas ou elogios, mas a vida não resistirá sem os nossos cuidados. Essas pessoas deveriam mudar as suas prioridades.

BAHIGE FADEL

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Atividades econômicas terão nova regulamentação a partir de 1º de junho

A Prefeitura de Botucatu publicou em seu semanário oficial o decreto número 12.005, que dispõe sobre a abertura gradual e ...