Balanço

Chegamos a dezembro. O ano já está terminando. Para mim, que sou professor, já está tudo programado. Ainda restam algumas provas finais para os alunos que não tiveram bom desempenho durante o ano. É a última chance de demonstrarem que têm conhecimentos suficientes para a série seguinte. É um período difícil para professores e alunos. É a época em que a gente tenta arrancar o último sumo da laranja, para ver se dá um caldo.

Depois disso, chega o momento de se fazer uma reflexão. O

que deu certo? O que deu errado? O que precisa ser aprimorado ou corrigido? Afinal de contas, se não houver uma reflexão sobre sua atividade e, mesmo, a sua vida, a possibilidade de melhorar é quase nada. E não faz sentido se a gente não procurar ser melhor naquilo que faz. Mesmo envelhecendo, a gente tem eu ser sempre novo. A gente tem que se renovar. O que não muda é peça de museu. E professor não é peça de museu.

Depois disso, o descanso, para recuperar as energias. Ninguém é de ferro. Todos precisam recuperar o corpo e o espírito.

Para o comerciante, é um período de muitas atividades. É preciso renovar o estoque das lojas, que sumiu – Graças a Deus! – no Black Friday. As vendas de Natal precisam ser grandes, para se fazer caixa e garantir o sustento da família e o pagamento aos empregados. O comerciante precisa dessas ocasiões especiais – Black Friday, Natal, Páscoa, Dia das Mães, Dia dos Pais (esse dia está um pouco desprestigiado), Dia dos Namorados… – para incrementar suas vendas. Numa época de vacas magras, com desemprego alto, instabilidade econômica e política, é preciso haver ocasiões que permitem alavancar as vendas, melhorar os negócios.

E na política? Bem, na política, não mudou muita coisa. A oposição continuará criticando a situação. A situação continuará criticando a oposição e tentando realizar alguma coisa diferente para melhorar o país. Os deputados vão usufruir de novas demoradas férias. Deixarão projetos importantes para o ano que vem, não se importarão com a urgência ou a necessidade de sua aprovação.

No ano que vem, atuarão de maneira lenta, já que os interesses serão outros. É que será ano de eleições, e muitos ou concorrerão a novos cargos ou apoiarão aqueles que, se eleitos, os apoiarão depois de dois anos, em

novas eleições. Ou seja, essas longas novas férias servirão, não para o descanso, pois já estão devidamente descansados, mas para elaborarem estratégias que aumentarão suas possibilidades de se sustentarem em seus ricos poleiros, sem terem feito muita coisa significativa para melhorar a vida do cidadão.

E assim caminha a humanidade. Quem viver verá. E eu pretendo ver tudo.

BAHIGE FADEL

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Se você não recebeu a confirmação, não compareça à consulta no HCFMB!

Desde o início da pandemia do COVID-19 no mês de março, o HCFMB reduziu o número de consultas, exames e ...