Saúde

Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) comemora 20 anos

O Cerest – Regional Botucatu completa 20 anos nesta sexta (19 de abril), justamente no mês de conscientização aos acidentes e doenças do trabalho, conhecido como Abril Verde.

Somente em 2023, o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador realizou:

– 1.820 atendimentos – média de 151/mês
– 450 atividades de Educação em Saúde do Trabalhador [+2,4 mil capacitadas] – 843 procedimentos de Vigilância da Situação de Saúde dos Trabalhadores
– 105 procedimentos de Inspeção Sanitária em Saúde do Trabalhador

Além de melhorar as condições nos ambientes de trabalho, o Cerest, em articulação com toda a rede, também oferece assistência, por meio de equipe multidisciplinar, a todos os trabalhadores urbanos e rurais, do setor público e privado, com carteira assinada ou não.

Independente do tipo de vínculo empregatício, que tenham sofrido acidentes de trabalho ou apresentam alguma doença relacionada ao trabalho.

Também em 2023 o Cerest Botucatu atingiu a qualificação máxima no “Qualifica Cerest”, avaliação nacional realizada pelo Ministério da Saúde. Demonstrando, assim, todo empenho da equipe e excelência dos processos e ações realizadas pela regional.

“No decorrer dos seus 20 anos, enfrentamos vários desafios. Porém as conquistas se somam ainda mais quando pensamos em toda equipe de trabalho que fez ou que ainda faz parte deste serviço. Todos que por aqui passaram deixaram sua história e levaram um pouco da saúde do trabalhador para onde foram”, destaca Daniela Tonelli, enfermeira responsável pelo serviço.

“O Cerest tem colaborado com o aumento das notificações de acidentes de trabalho e ajudado a garantir direitos dos trabalhadores durante todos estes anos. Continuaremos realizando diversas atividades educativas, para melhoria dos dados epidemiológicos. Instruindo, orientando e fomentando a necessidade dos serviços de saúde notificarem os acidentes e as doenças relacionadas ao trabalho”, completa Humberto Petry, fisioterapeuta do Cerest.

Sobre o Cerest Botucatu
O Cerest é um serviço SUS, que integra a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST), sob gestão da Prefeitura Municipal de Botucatu, por meio da OSS de Pirangi.

Desenvolve ações de promoção, assistência e vigilância à saúde dos trabalhadores de Botucatu e mais 12 municípios: Anhembi, Areiópolis, Bofete, Conchas, Itatinga, Laranjal Paulista, Pardinho, Pereiras, Porangaba, Pratânia, São Manuel e Torre de Pedra.

O Cerest não é um serviço de emergência. Mas, sim, um serviço de saúde secundário. Ou seja, o paciente é atendido após ser encaminhado pela unidade de saúde.

A equipe é formada por médicos (2); enfermeira, técnicos de enfermagem (2), fisioterapeuta, psicóloga, assistente social, técnica de segurança do trabalho, engenheiro, auxiliares administrativos (2), e auxiliar de serviços gerais.

𝗠𝗮𝗶𝘀 𝗶𝗻𝗳𝗼𝗿𝗺𝗮𝗰̧𝗼̃𝗲𝘀
Horário de funcionamento
Segunda à Sexta – 7h30 às 17 horas
End.: R. João Passos, 2085 – Centro
Tel.: (14) 3811.1415 / 9.9721-5043
E-mail: cerest@botucatu.sp.gov.br

Disciplina de Ciências Biológicas aproxima alunos do mercado

O curso de Ciências Biológicas do Instituto de Biociências da Unesp (IBB) – Câmpus de Botucatu tem oferecido uma importante disciplina: a “Atuação profissional do Biólogo”. Obrigatória para os alunos da modalidade de bacharelado, a disciplina leva até a sala de aula profissionais que estão atuando no mercado de trabalho em alguma das três grandes áreas de atuação para o profissional bacharel. Entre as áreas de destaque estão: Saúde, Biotecnologia/Produção e Meio Ambiente/Biodiversidade.

Com o objetivo de aproximar os jovens que estão cursando o ensino superior dos profissionais que estão atuando no mercado de trabalho, a disciplina prioriza palestrantes que são egressos do curso de Ciências Biológicas do IBB, e que retornam ao Instituto que os graduou como biólogos para compartilhar as diferentes trajetórias profissionais vividas.

Em um formato dinâmico e acolhedor, os estudantes têm a oportunidade de conversar, solucionar dúvidas e conhecer a experiência de inúmeros profissionais, muitos deles que conciliam a carreira e atuação profissional com a ascensão acadêmica na pós-graduação, como no mestrado e doutorado. Sob coordenação da docente do Departamento de Biologia Estrutural e Funcional (DBEF), Flávia Karina Delella, coordenadora do curso de Ciências Biológicas do IBB, e do docente do Departamento de Ciências Químicas e Biológicas (DCQB) – Setor de Microbiologia e Imunologia, Rodrigo Tavanelli Hernandes, a disciplina apresenta aos estudantes as inúmeras possibilidades de atuação profissional nas três grandes áreas da biologia.

Para a professora Flávia, a disciplina “Atuação profissional do Biólogo” é um pilar importante não apenas para o curso de graduação do IBB, mas também para os programas de pós-graduação disponíveis no Instituto, pois apresenta para os estudantes novas possibilidades de pesquisa dentro da universidade após a formação acadêmica. “Essa disciplina é um grande diferencial do curso de Ciências Biológicas do IBB. O profissional biólogo tem um leque enorme de opções profissionais e de pesquisa para seguir e, nesse sentido, o nosso Instituto apresenta grande  potencial de pesquisa nas três grandes áreas que o profissional biólogo pode seguir! O aluno pode sair daqui formado em uma graduação de excelência, com experiência nas três grandes áreas e linha de pesquisa definida para atuar. Ele também pode continuar aqui após a graduação fazendo o curso de mestrado ou doutorado em uma dessas áreas, escolhendo um dos nossos cursos de pós-graduação”, afirma.

Atualmente, a disciplina está sendo ministrada para os alunos do currículo 2019 da modalidade Bacharelado, durante os meses de março, abril e maio de 2024.

Campanha Abril Lilás chama atenção para o câncer de testículo

Mais comum em crianças, adolescentes e homens jovens, podendo também atingir idosos, o câncer de testículo é considerado raro e potencialmente curável quando diagnosticado precocemente. Sua incidência está entre três e cinco homens em uma população de 100 mil habitantes.

Trata-se de uma doença grave que tem início nos testículos por meio de um erro na multiplicação de células. As células cancerígenas se multiplicam sem controle, utilizando todos os nutrientes das células saudáveis, e, em um estágio mais avançado, se alastrando pelo corpo.

O médico urologista do HCFMB Fernando Ferreira G. Filho

De acordo com o médico urologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB), Fernando Ferreira Gomes Filho, os principais fatores de risco são a presença de testículos não descidos, corrigidos ou não (doença congênita por meio da qual a criança nasce com o testículo fora do escroto), radioterapia prévia, tabagismo, histórico familiar, dentre outros.

Para identificar o problema é necessário realizar o exame físico. Caroços endurecidos que crescem nos testículos são sinais da doença. “A melhor prevenção é realizar a correção precoce dos testículos fora da bolsa, isto é recomendado logo após o primeiro ano de vida”, explica Ferreira.

O diagnóstico precoce se dá por meio da autoinspeção periódica dos testículos, principalmente durante o banho, e procura médica precoce. Já o “tratamento ocorre com a retirada dos testículos acometidos, sendo, algumas vezes, necessário quimioterapia ou mesmo radioterapia após o procedimento”, explica o especialista.

De acordo com dados do Atlas de Mortalidade do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de testículo foi responsável por mais de 3.700 mortes no país entre 2012 e 2021.

JORNAL DO HCFMB

Aluna do Instituto de Biociências (IBB) desenvolve biblioteca antirracista

Foram mais de 500 obras literárias de autores africanos, indígenas e afro-brasileiros arrecadadas por oito estudantes da EE Professor Andronico de Mello, localizada na região central de São Paulo. Eles foram os responsáveis por criar a Biblioteca Antirracista Marielle Franco, que ganhou vida após os alunos perceberem que a biblioteca da escola refletia majoritariamente a cultura branca, não correspondendo à realidade dos colegas.

Uma das integrantes do projeto é a Giovanna Negro. À época do projeto, Giovanna tinha 17 anos. Atualmente, aos 18 anos, ela é graduanda em Física Médica no Instituto de Biociências da Unesp (IBB) – Câmpus Botucatu.

A biblioteca criada pelos alunos foi nomeada como Biblioteca Antirracista Marielle Franco. O projeto não foi desenvolvido para uma disciplina específica, mas, sim, como resposta a uma necessidade percebida pelo grupo de alunos. As docentes que apoiaram o projeto foram Rachel D’amico e Maite Maiara, ambas professoras na disciplina de sociologia.

“Foi crucial oferecer representatividade e inspiração para alunos que talvez não encontrassem modelos étnicos semelhantes nos materiais educacionais convencionais”, afirma Giovanna. Sobre a representatividade e o impacto social que abrange a importância do projeto, Giovanna alega que ao disponibilizar uma ampla gama de obras desses autores, a biblioteca não apenas incentivou a leitura e o desenvolvimento acadêmico, mas também fortaleceu o senso de identidade e pertencimento entre os alunos, promovendo uma educação mais inclusiva e enriquecedora para todos os estudantes.

Durante o desenvolvimento da biblioteca, o livro “Pequeno Manual Antirracista”, da filósofa Djamila Ribeiro, foi a primeira obra que Giovanna lembra que todos os integrantes começaram a ler.  E para prestigiar a arrecadação dos livros e a iniciativa da Biblioteca Antirracista Marielle Franco, Djamila Ribeiro esteve presente no local, fazendo uma surpresa a todos os envolvidos. “Vê-la prestigiando nosso trabalho foi extremamente emocionante”, relembra Giovanna.

A biblioteca foi inaugurada em outubro de 2023, e é um dos projetos vencedores da 7ª edição do Prêmio Territórios, iniciativa do Instituto Tomie Ohtake, realizada em parceria técnica com a Cidade Escola Aprendiz e o Centro de Referências em Educação Integral. A 7ª edição buscou ações pedagógicas articuladas com seus territórios, em busca de promover estratégias comprometidas com a igualdade de direitos e a diversidade cultural. Dentre os projetos de escolas de todo o país, a Biblioteca Antirracista Marielle Franco foi uma das vencedoras do Pêmio Territórios. Para Giovanna, receber a notícia do prêmio Tomie Ohtake foi uma grande surpresa. “Participar do evento e ver outros projetos de várias partes do Brasil foi muito emocionante”, conta emocionada a aluna do IBB, Giovanna.

Serviço de Radioterapia do Hospital das Clínicas amplia horário de atendimento

Com o objetivo de zerar a fila de espera, o Serviço de Radioterapia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB) ampliou seu horário de atendimento. Desde janeiro, a unidade está com o expediente fixado de segunda a sexta-feira das 5h às 24h; antes, era das 8h às 21h.

De acordo com o médico responsável pelo Serviço, Batista de Oliveira Júnior, a medida foi implementada em virtude do período (quatro meses) que os pacientes diagnosticados com câncer tinham que enfrentar até chegar a Unidade.

Em janeiro, havia 70 pessoas que aguardavam para iniciar o tratamento radioterápico e, neste mês de abril, o número chega a 26. Estes pacientes são chamados em até quatro semanas para realização das sessões de radioterapia, após a consulta ambulatorial.

Dinâmica de atendimentos

Com a ampliação do horário, os pacientes de cidades da região e vinculados ao Departamento Regional de Saúde (DRS-VI) são inseridos nas sessões ao longo do dia e àqueles de Botucatu ou que estão hospedados nas Casas de Apoio são direcionados para o período noturno ou nas primeiras horas da manhã.

“O paciente é o maior beneficiário. Houve uma compreensão da Superintendência do HC que a medida era importante e deu certo”, frisa o médico Batista de Oliveira Júnior.

No fim de 2022, antes da ampliação do horário, aproximadamente 70 pacientes eram atendidos diariamente pelo Serviço de Radioterapia. Atualmente são mais de 90 pessoas que recebem atendimento.

Encaminhamentos

As pessoas que necessitam de sessões de radioterapia chegam até o Serviço por encaminhamento das consultas ambulatoriais realizadas no próprio HCFMB.

“Abrir mais vagas para pacientes com tratamento oncológico de radioterapia no HCFMB tem um impacto significativo. Para o Hospital, significa um olhar humanizado que estabelece uma conexão com os pacientes e para os pacientes possibilita um acesso mais rápido ao tratamento, redução do tempo de espera e potencialmente melhores resultados no tratamento do câncer”, explica o médico Alessandro Lia Mondelli, Gerente de Exames Diagnósticos e Terapêuticos do HCFMB.

Acelerador Linear (imagem ilustrativa)

JORNAL HCFMB

 

Nova diretriz orienta como medir pressão arterial dentro e fora de consultório

A SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia) lança, nesta sexta-feira (12), uma nova diretriz com formas de medição da pressão arterial para melhorar o diagnóstico de hipertensão. De acordo com as novas Diretrizes Brasileiras de Medidas da Pressão Arterial Dentro e Fora do Consultório, o diagnóstico definitivo de hipertensão arterial não deve considerar apenas os resultados obtidos nas medidas realizadas em consultórios.

O documento destaca a diferença entre a medida de pressão feita no consultório médico e aquela que é analisada no cotidiano do paciente. Isso porque, em algumas situações, a pressão arterial de um paciente pode ser mais alta no consultório médico, uma situação que pode gerar estresse e ansiedade, mas no seu dia a dia o indivíduo apresenta a pressão controlada. Neste caso, um diagnóstico de hipertensão poderia levar à medicação incorreta.

Por outro lado, pacientes com pressão arterial que não têm o controle em residência e apresentam pressão arterial baixa no consultório não seriam corretamente diagnosticados –no Brasil, a prevalência de hipertensão é de quase 24%, segundo o relatório Estatística Cardiovascular da SBC, de 2023.

A diretriz visa minimizar essas diferenças, evitando os dois casos, chamados de “hipertensos de avental branco” -casos com hipertensão no consultório, mas que não possuem a condição- e “hipertensos mascarados” -pacientes com diagnóstico, mas que não apresentam o sinal em frente ao médico.

A publicação é um conjunto de evidências reunido por 67 profissionais de diversas especialidades para ajudar na medição de pressão arterial dentro e fora do consultório.

A hipertensão arterial é um dos principais fatores de risco modificáveis para morte e incapacidade no mundo, sendo um dos maiores fatores de risco para AVC (acidente vascular cerebral), doenças cardíacas (como doença coronariana arterial) e insuficiência renal.

Segundo o cardiologista Audes Feitosa, coordenador-geral da diretriz, é importante considerar diversos fatores antes do diagnóstico final de hipertensão. “A medida da pressão no consultório é um pouco mais frágil. A medida mais fidedigna seria uma medida fora do consultório, que o paciente faz em casa. Por isso, consideramos também algumas diferenças nos valores”, explica.

Em consultórios, os médicos consideram uma pressão arterial elevada de 140 por 90 mmHg (conhecida por 14 por 9, na linguagem popular). O normal é 120 por 80 mmHg (ou 12 por 8). Já em casa, uma pressão já considerada acima do normal é de 130 por 80 (13 por 8).

Feitosa afirma que existem dois métodos para a medição dentro de casa, a MAPA (monitorização ambulatorial da pressão arterial), onde o paciente faz as medidas durante 24 horas com um aparelho que fica preso à cintura, e a MRPA (monitorização residencial da pressão arterial), cujos valores são medidos por cinco dias às manhãs e às noites com um aparelho. A utilização destas técnicas e equipamentos auxiliam na elaboração de um diagnóstico mais complexo e assertivo, diz o médico.

“O acesso a estes equipamentos se faz necessário e merece um olhar atento. Não é apenas diagnosticar, tem que ter o diagnóstico adequado para, depois, tratar, com acompanhamento, para ter certeza que ele controlou a pressão”, explica. Cerca de dois terços dos pacientes hipertensos no Brasil não controlam de forma adequada a pressão arterial.

Por fim, o médico destaca algumas situações, como anomalias cardíacas ou outras condições genéticas, onde o diagnóstico de hipertensão no consultório já é possível de ser conclusivo. “Salvo nessas outras situações, o ideal é eu confirmar o diagnóstico com a medida da pressão fora do consultório”, diz.

As Novas Diretrizes demonstram que o emprego de técnicas e/ou equipamentos inadequados podem levar a diagnósticos incorretos, tanto subestimando quanto superestimando valores e levando a condutas inadequadas e grandes prejuízos à saúde e à economia das pessoas e dos sistemas de saúde. “É importante dizer que hipertensão é um fator de risco para AVC, infarto e até demência, e que o controle adequado vai minimizar o risco, deixando o paciente com um comportamento semelhante de quem não sofre de hipertensão, basta medir a pressão arterial e fazer o controle de forma adequada”, finaliza.

 

Morador denuncia pneus expostos com larvas no Balneário Rio Bonito

Em meio a crescentes casos  de dengue em Botucatu, ainda é possível encontrar criadouros do mosquito próximos as sedes de instituições, como é o caso no Rio Bonito. Um morador do Rio Bonito procurou a Rede Alpha para denunciar focos do mosquito Aedes aegypti que ficam próximos á Associação de Moradores.

Segundo o morador, há vários pneus expostos com larvas dentro, e que estão em espaço público. Lembrando que na região Leste, onde estão localizados o Distrito de Vitoriana e Rio Bonito, vem vivenciando um surto de dengue, muitos casos positivos no segundo semestre do ano passado e aumentando em 2024. O alto índice de infestação de mosquito vem se mantendo nos meses atípicos e que está sendo suficiente para sustentar a transmissão da dengue.

 

Polícia Civil e Proteção Animal flagram maus-tratos contra 3 cães em Botucatu

Na manhã desta quarta-feira (10), o Departamento de Proteção Animal da Vigilância Ambiental em Saúde e Polícia Civil flagraram três cães, da raça pastor alemão, em situação de maus-tratos, na COHAB II.

O tutor já havia recebido um auto de constatação onde era solicitado atendimento médico veterinário para os animais, entre outros cuidados de bem estar. Em visitas posteriores foi constatada a negligência com os cuidados do animal.

Na ação de hoje, os cães estavam visivelmente desnutridos e desidratados, em meio as próprias fezes, com água insuficiente, sem vestígios de alimentação e com grande quantidade de carrapatos.

O tutor, um homem, foi conduzido para a Delegacia de Polícia onde foi dada voz de prisão por crime de maus-tratos. Os cães foram resgatados, passarão por atendimento e tratamento médico veterinário e ficarão sob os cuidados do Departamento de Proteção Animal.