Crônica da semana retrata o valor da sinceridade; a “Franqueza”

Vamos ser francos, salvo algumas exceções, a vida nunca esteve muito fácil. Se a gente quer conquistar 
alguma coisa, tem que ralar. Foi assim antes; é assim agora. Ganhar o grande prêmio da loteria é para 
alguns, que a gente só ouviu falar. Conhecer mesmo, raramente. Receber uma vultosa herança, pra não ter 
que fazer nada o resto da vida parece ser coisa virtual, não real. A gente vê essas coisas em filmes de 
ficção ou em notícias de fatos que ocorrem na Terra do Nunca. Nunca em nossa casa ou vizinhança.
Comigo foi assim. Com você também deve ter sido desse jeito, caro leitor. Você se arrebenta num trabalho, 
num projeto, que pode ou não dar certo. Se não dá certo, sua fama de incompetente rola o mundo. 
'Eu já sabia...' Todos já sabiam, menos você. 'Eu bem que avisei aquele cara de que ele daria cabeçada.
' Todos avisaram, só que deve ter sido em outra língua, porque você nunca ouviu coisa alguma. E o pior é 
quanto aparece aquele iluminado:'Se ele tivesse me ouvido. Eu tenho experiência nesse caso.' 
Quando aparece alguém oferecendo ajuda, você fica desconfiado. Será que é ajuda ou é interesse?
Mas se a coisa dá certo, raramente vem um elogio. Ainda bem que o advébio é raramente, e não nunca. 
A gente tem que ser justo. A gente não está totalmente só e abandonado neste mundo.  Mas como eu ia 
dizendo, se a coisa dá certo, vêm línguas de trapo inconformadas. 'Mas que cara de sorte! Nasceu com 
aquilo voltado pra lua!' Você planeja, analisa prós e contras, avalia, trabalha que nem escravo e 
consegue aquilo que projetou. Ótimo! A conclusão é 'cara de sorte'.  Sorte é o... Vamos deixar pra lá. 
Isso é pior que coice de mula. Melhor não enfrentar. Os danos serão terríveis. Desviar é a solução.
Pior de tudo é quando começa a ter a certeza de que algumas lutas ao longo de  sua vida foram inúteis. 
Você cansou, feriu-se, arranjou alguns inimigos, e o resultado de tudo foi o fato de cansar-se, ferir-se e 
arranjar inimigos. O resto ficou tudo igual. Quer dizer: pra que serviram essas lutas? Pra não resolver 
coisa alguma. Pena que a gente perceba isso mais tarde, com a experiência, quando não tem jeito de 
consertar. Nem de concertar.
E quando esperam que você continue lutando 'para resolver os problemas do mundo'? Caramba! Minhas 
forças mal são suficientes para lutar por mim e por minha família. Como eu dizia para meus alunos, 
no final de minha carreira: Agora é a vez de vocês. Bem ou mal, está aí o mundo. Cabe a vocês melhorá-lo. 
Eu posso não ter ajudado muito, mas fiz o máximo que pude. Dei o melhor de mim. Como eu dizia aos meus 
alunos - tenho saudade deles - ninguém é obrigado a ser o melhor aluno da classe, mas tem obrigação 
de ser o melhor que pode ser. Posso não ter sido o melhor naquilo que fiz, mas fui o melhor que pude ser. 
Ah se todos dessem o máximo de si para coisas boas! O mundo seria bem melhor, com certeza.

Bahige Fadel

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.