Exclusivo: Dona de casa faz sérias denúncias contra o ex-marido e pede socorro

Tania Monica Barbosa tem 62 anos (30/01/1961), é Microempreendedora Individual (MEI), é dona de casa, brasileira, natural de São Paulo – capital e moradora do bairro de Bom Retiro – SP.
Para fazer uma denúncia e um apelo, a dona de casa, Tania Monica Barbosa, me procurou e resolveu denunciar o dilema que enfrentou e enfrenta até hoje, com o seu ex-marido.

Tania, você foi vítima de uma relação abusiva com o seu ex-marido com quem conviveu até 2018? Como isso ocorria?
R: Quando nos conhecemos ele era 18 anos mais jovem que eu. Morávamos juntos, porém ele insistia em casar no papel comigo. Nesse sentido, em 2011, casamos e minha vida se transformou. Aos poucos, ele começou a se revelar, mostrando para as pessoas que era um homem gentil, submisso, um lorde. No entanto, entre quatro paredes, não era assim. Nunca foi.

Na minha concepção, sofri a pior das violências que uma mulher pode sofrer, a violência psicológica. Ele foi me dominando e depois me chantageando. Dizia que se não fosse do jeito dele, iria embora. Ao mesmo tempo, dizia que eu ficaria sozinha, porque minha família, meus filhos não gostavam de mim, e, que minha mãe me odiava.

Com isso eu fui ficando dependente dele, e com o tempo, não sabia fazer mais nada. Até no cabeleireiro ele ia comigo, escolhia a cor do esmalte que eu usava. Para ter ideia, inclusive, a comida tinha que ser só o que ele queria. Eu não podia sequer, pedir uma pizza de muçarela. Ele não permitia.
Eu era totalmente dominada por ele e ameaçada. Ele dizia que me deixaria e eu por ser loucamente apaixonada e totalmente dependente fazia tudo, absolutamente tudo, que ele mandava.

Eu me anulei como pessoa, e passei a ser a sombra dele. Ele brigava comigo, me deixando em um estado de ansiedade absurda. Por vezes, eu achava, que não ia segurar a onda. Aí ele me filmava, e sempre, sugeria que eu me matasse.

Várias vezes minha mãe pedia pelo amor de Deus para ele parar de me maltratar e ele me chamava de louca, que ele ia mostrar os vídeos para os amigos, para os meus filhos e que eu acabaria em um sanatório para pessoas com problemas psiquiátricos. Enfim, ele dizia o tempo todo, que eu era louca. Tanto que no celular dele não tinha o meu nome, mas sim, o de Louca.

Houve agressão física? Como foi? Cite alguns episódios…
R: Ele, nunca, me agrediu fisicamente. Era um empurrão quando contrariado, uma pegada mais forte no braço. Uma ou outra vez, quando eu gritava, ele me empurrava para cima da cama e dizia que eu estava louca e que precisava ser internada.

Isto posto, em dezembro de 2018, ele colocou um plano dele em ação, tudo estava bem calculado. Ardiloso e ruim, usou dos meus sentimentos, e, me levou ao banco, mandando que eu assinasse uns documentos. No momento eu não li, porque estava apavorada, com medo de que ele me largasse se eu não assinasse, e cometi o maior erro da minha vida,” confiei “e assinei como fiadora um empréstimo para ele, porém o que eu não sabia, é que os papéis que assinei se tratavam da hipoteca da minha casa.

Claro que quando o dinheiro caiu na conta dele e até hoje eu não sei o valor, ele pegou as coisas dele e sumiu. Tudo, estava traçado milimetricamente, por ele. Isso se deu em 05/02/2019. Depois de tudo, não atendia o celular e quando atendia era aos berros, me xingando e dando gargalhadas da minha cara.

Passado esse período, em fevereiro de 2022, no dia do enterro da minha mãe, tinha uma pessoa na porta da minha casa, dizendo que o meu imóvel tinha sido leiloado e arrematado por um comprador. Conclusão, perdi tudo o que tinha para ele. Liguei desesperada e aí ele nunca mais me atendeu.

Mas fazendo um parêntese, mesmo com outra pessoa ele nunca deixou de dizer que me amava e que iria voltar para mim, porque aqui era o lugar dele que estava esfriando a cabeça para retornar bem como eu merecia. Em uma manhã de agosto de 2022 meu celular tocou, eram sete da manhã da manhã, e ele apareceu fazendo juras de amor, dizendo que tinha perdido tudo e que a pessoa que estava com ele não prestava, que queria só o dinheiro dele. E que queria me ver.

Mas na verdade, o que ele queria era roubar o meu carro da marca: “Civic Turbo 2018, que estava quitado”.
Quando ele percebeu que eu não estava caindo na conversa dele, ele veio tocar a minha campainha a noite, querendo entrar em minha casa, claro que não deixei e de novo ele veio me falar e me mandar mensagem, que a mãe dele, havia dado o dinheiro para ele recomprar minha casa.

Não o deixei entrar, pedi para que viesse outro dia. Ele estava visivelmente, perturbado, por ter sido contrariado e eu me apavorei, achei que se ele entrasse na minha casa me mataria. Sendo assim, ele voltou na minha casa com a amante, em um momento que eu não estava, e levou todos os pertences que conseguiu como: micro-ondas, televisão, forno elétrico, adega e outros. Segue o link da reportagem que foi ao ar no programa, “Balanço Geral”: https://recordtv.r7.com/balanco-geral-manha/videos/homem-e-atual-companheira-roubam-casa-de-ex-em-sao-paulo-15092022, no qual o vídeo mostra a ação deles.

Chegou a registrar ocorrência sobre este ou estes fatos? Foi solicitada a medida protetiva? Seu ex-marido tem se posicionado?
R: Depois do roubo em minha casa, tive que pedir uma medida protetiva, e cinco dias depois, o casal voltou para levar meu carro e me ameaçar por eu ter exposto os dois na TV. Segue o link da reportagem: https://recordtv.r7.com/balanco-geral-manha/videos/homem-e-atual-companheira-roubam-casa-de-ex-em-sao-paulo-15092022

Em um outro momento, você relata que seu ex-marido entrou na sua casa e roubou bens materiais, na companhia da atual companheira dele. Como isso se deu? Houve registro?
R: Ele passou a telefonar para mim, todos os dias, e a mandar mensagens. Até que na noite de 09/09/22 ele me telefonou perguntando onde que eu estava, eu disse que estava voltando para casa. Foi quando ele arrombou minha casa e levou tudo, absolutamente tudo, o que eu tinha. Esse roubo foi parar no programa, na Rede Record de Televisão, e aí eu posso dizer que não me sobrou mais nada. Tudo isso foi registrado na 12a Delegacia.

Hoje, eu me pergunto, como pude me deixar levar dessa maneira e como vou fazer para recuperar minha casa! Lembra que eu disse que minha casa havia sido arrematada por um comprador, já que meu ex-marido não pagou uma parcela sequer do empréstimo que fez em que fui avalista?

Pois bem, recorri na justiça, mas perdi na 1ª e na 2ª instância, e devido a inúmeros erros processuais envolvendo o leilão, como por exemplo, falta de citação, recorri na 3ª instância para tentar reverter a decisão do processo, mas já fui orientada a buscar outro local para ficar. No entanto, não tenho nenhum. Caso eu tenha que sair da minha casa, terei que morar na rua!

Enquanto isso, meu ex-marido, está morando em um lindo apartamento. A atual mulher dele, sempre posta fotos nas redes sociais, meus amigos veem e me enviam. Aí pergunto, você não assinaria um documento para seu marido, a quem amava e confiava a vida, e com quem viveu por dezenove anos e meio? Hoje sei que fui vítima de um estelionato emocional. Amei demais meu maior inimigo, o meu ex-marido.

O processo corre em segredo de justiça? O que você pode falar a esse respeito no momento?
R: Sim. O processo está tramitando em segredo de justiça, por uma questão de regra processual. Todos os processos que tratam de Direito de Família, obrigatoriamente, tramitam nesse rito de privacidade do público. Mas todo o assunto contido nele, é de conhecimento do público. Inclusive, meus amigos e alguns conhecidos, participaram de todos os acontecimentos.

Quais os seus principais apelos?
R: Hoje faço um apelo desesperado, q minha casa seja devolvida para mim e que a dívida seja cobrada daquele q ficou com o dinheiro. Ele e sua companheira.
Enquanto meu ex-marido e sua atual companheira ostentam uma vida de luxo, nas redes sociais, eu tive a energia da minha casa cortada, em maio deste ano, por falta de pagamento, pois meus recursos esgotaram e foi com a ajuda de amigos que paguei minhas contas atrasadas. Esse homem arruinou a minha vida.

Quais as suas considerações finais?
R: Temos que pensar, em criar uma lei que proteja mais as mulheres, inclusive em situação como a minha. Fui vítima de um homem inescrupuloso, frio e calculista que só quis se aproveitar de mim, do amor que sentia por ele. Se eu não conseguir fazer o juiz acreditar em mim, vou ser mais uma moradora de rua, aos 62 anos de idade.

Foto: cedida e autorizada por Tania Monica Barbosa

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.