Professor Bahige Fadel apresenta sua “Crônica Incertezas”

Não devo ser só eu. Muita gente deve ter as mesmas incertezas que tenho agora. Aliás, o mundo é de incertezas. Parece que a única coisa certa do mundo são as incertezas que ele tem. Incertezas que atingem a pobres e ricos, a letrados e analfabetos, aos judeus e aos cristãos. Na verdade, não estou certo sequer de que eu seja dono de meus próprios pensamentos. Serei mesmo dono deles ou eles são o resultado de influências externas? Sou eu que penso o que penso ou apenas penso aquilo que os outros querem que eu pense? Na minha juventude, quando insistia em escrever alguns versos, me veio esta frase: Sou o resultado do que desejei ser e do que os outros me fizeram. Desde aquele tempo, eu tinha a certeza de que eu não era bem o que desejava ser; era também produto dos desejos dos outros.
Na verdade, com os anos e os trancos da vida, fui perdendo muitas certezas. Quando entrei na política, tinha certeza de que, através dela, poderia mudar o mundo. Doce ilusão! Quase me mudaram. Saí rápido, para não sofrer esse desmanche. Descobri que, na política, não se quer mudar muita coisa. Os poderosos querem que os outros mudem para se adaptarem aos desejos deles. Você tem que mudar, para que eu possa permanecer do jeito que eu quero. É esse o pensamento político. Só que não dizem isso. As segundas intenções vêm sempre mascaradas de fantasia. A realidade não interessa a quem deseja mudar os outros, para que possa permanecer como deseja. O pior de tudo é que não descobri uma solução para o problema. Fosse eu capaz de ter soluções para todos os problemas! Mas não tenho, e isso me angustia.
As incertezas são históricas. Pilatos não tinha certeza de nada, quando lavou as mãos e condenou a Cristo. Tivesse ele todas as certezas necessárias, não tomaria essa atitude. E quantos Pilatos observamos no mundo de hoje? Pilatos de todos os níveis. Pilatos que lavam as mãos e deixam corruptos e corruptores livres, para continuarem o seu sujo trabalho. Pilatos que lavam as mãos, para que os incompetentes continuem desfilando a sua incompetência em prejuízo de milhares e milhões. Pilatos que lavam as mãos, para deixarem que as guerras persistam, matando culpados e inocentes. Pilatos que lavam as mãos, para permitir que a miséria perdure, para que a ignorância perdure, para que o medo perdure. É que é muito mais fácil dominar miseráveis, ignorantes e medrosos.
Certeza de quê, my friend? Certeza de que eu ainda consigo me indignar. Não é muita coisa, mas estou certo disso. Certeza de que a bondade vale a pena. Não para ter prêmios, lucros ou reconhecimento. Bondade apenas para satisfação pessoal. Certeza de que é uma obrigação de cada um ser honesto. Não para obter lucros, mas para que os outros não tenham prejuízos. Certeza de que é preciso ter paz. Só assim você poderá espalhar a paz, distribuir a paz, semear a paz. Certeza de que precisamos da felicidade. Precisamos ser felizes. Os felizes constroem um mundo melhor; os infelizes procuram destruir o que ainda existe de bom.

Bahige Fadel

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.