Últimas Notícias

Profissionais

Como dizem as raposas velhas, política é para profissional. Amador que tenta entrar nessa enroscada acaba se machucando. Se não acontecer coisa pior. Se amador tentar entender esse rolo todo que existe na política, pelo menos no Brasil, pode se enroscar feio. Pode passar por ingênuo, por tolo, por limitado intelectualmente. Mas não é nada disso. Amador na política profissional de hoje é carta fora do baralho: não tem utilidade nenhuma. E a cada dia que passa, vai ficar pior. Velhos tempos em que as coisas eram mais amadoras, para idealistas, para apaixonados. Mudou tudo.

Como amador que sou, não quero me meter em política. Pelo menos, na política atual. Já gostei de dar meus pitacos, ou até opiniões abalizadas, principalmente quando se tratava de educação. Hoje tenho certos receios. Embora não seja tão amador assim em educação, há muitos especialistas no pedaço. Pessoas que nunca entraram numa sala de aula, nunca dirigiram uma escola de periferia, nem mesmo do centro da cidade, mas que se julgam especialistas, experts. Ditam normas. Elaboram teses. Criam coisas como ‘o novo ensino médio’, como se fosse a grande conquista da humanidade. São os profissionais. Os respeitados. Os citados. Com certeza, têm várias pós-graduações. Até no exterior.

Não é fácil lidar com profissionais. Entendê-los é menos fácil ainda. É mais fácil passar no vestibular do ITA, gabaritando na prova de matemática e física, do que entender os profissionais da política. Vejam se eu não tenho razão. Nessa pandemia, várias coisas aconteceram. Houve o grupo do ‘fique em casa’, houve o grupo do ‘genocida’, houve o grupo do ‘prenda quem estiver sem máscara’, ‘prenda quem estiver na rua’. Houve o grupo dos ‘negacionistas’. Houve o grupo do ‘apocalipse’. Houve o grupo da ‘gripezinha de nada’. Faltou o grupo da verdade. Faltou o grupo da solidariedade. Faltou o grupo da esperança. Até os cientistas ficaram criando grupos para se oporem entre si, não para esclarecerem os leigos.

Agora, esses profissionais, que defendiam o ‘fique em casa’, estão dizendo que está tudo normal e que já pode haver até carnaval. E pode vir gente de qualquer parte do mundo, que a segurança é total. Dá para entender? Eu não consigo. Enquanto vêm notícias da Europa dizendo que uma nova cepa do coronavírus está preocupando governantes e cientistas, aqui no Brasil os profissionais da política, possivelmente apoiados por experts, estão garantindo um carnaval seguro. E se a gente não acreditar neles, passa a ser chamado de retrógrado, de ignorante, de agente do caos, de pessimista, de incrédulo, de um monte de coisa ruim. Difícil entender, cara! Coisa de louco. Perdão, coisa de profissionais. Não se meta o amador a entender coisas tão complexas.

BAHIGE FADEL

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Sessão ordinária da Câmara Municipal de 15 de agosto tem três projetos em pauta

A sessão ordinária de 15 de agosto na Câmara de Botucatu conta com três projetos em pauta. Os vereadores devem ...