Risco na Vida

Está muito arriscado viver atualmente. Em todo mundo, mas no Brasil, principalmente. o campo, na cidade. O risco é permanente. Vejam a questão das vacinas contra a COVID-19. Se não toma a vacina, corre o risco; se toma, corre o risco. Pra me imunizar, tomei a quarta dose. Nos dois dias seguintes, pensei que ia morrer. Caramba! Será que não conseguem inventar uma vacina que não nocauteie o cidadão? Acho que é por isso que tantas pessoas não quiseram tomar a terceira e quarta doses.

Devem ter pensado: Essa nova cepa é como uma gripe forte, então não vou tomar. Dizem que, tomando a vacina, a gente fica pior do que se tivesse apanhado gripe. Não quero correr esse risco. Deve ter sido isso, né?

Não é fácil, amigo! Quer ver? A maioria sabe que sou aposentado. Trabalhei um quilômetro de anos no serviço público estadual, para ter direito a uma aposentadoria decente. Consegui. Afinal, cheguei a dirigente regional de ensino. E o que aconteceu depois? O que eu recebo hoje é inferior ao que eu recebia há cinco anos. Sim, é isso mesmo. Além de não ter recebido reposição salarial nesses anos, houve o confisco do
governador.

Imaginem se eu tivesse me comprometido financeiramente com base no que eu recebia antes. Estaria desesperado. Aposentado do serviço público estadual, hoje, corre sérios riscos. Ninguém sabe do que o governo é capaz. A gente sabe que coisa boa não vem.

Então, a gente resolve não correr muitos riscos. Já bastam os aumentos dos preços dos remédios, por exemplo. Sim, porque o que aposentado mais consome é remédio. Mas governo que confisca parte do salário de aposentados não deve saber disso. Arriscado!
Querem ver outra coisa muito arriscada? Votar. Ou não votar. É aquela história antiga: se correr o bicho pega; se não correr o bicho come. Votar é arriscado. Não votar é arriscado. Vou dar um exemplo que deve ter ocorrido com várias pessoas. A gente vota num candidato a deputado para quê? Para defender os nossos interesses, claro. E deve fazer isso com honestidade e competência. Nos casos cruciais, o candidato eleito – agora deputado – o que deve fazer?

Consultar seu eleitorado. E é isso que ele faz? Chééé! – como exclamava aquele meu amigo de Pardinho. O deputado, ao invés de votar de acordo com os interesses – justos – de seu eleitorado, vota de acordo com os interesses – egocêntricos – de seu governador. Se você vota nesse candidato é um risco de ser prejudicado; se não vota, é também um risco, que pode ser até pior.

O certo é que a gente vive se arriscando. E na maioria das vezes, sem conserto. Se tem fé, reza; se não tem fé, torce para que o pior não aconteça. Vai que um dia você ganha na loteria. É um risco. É só jogar. Vai que o deus da jogatina fica com pena da gente. Meu deus da jogatina, sou aposentado, vivo no Brasil, no estado de São Paulo, por favor, olhe por mim. Pra piorar, sou são-paulino. Não está fácil!

BAHIGE FADEL

Sobre Régis Vallée

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.