Últimas Notícias

Texto elaborado pelo Prof. Nelson Letras sobre o tema de redação do Enem

Com uma abstenção de mais de 50%, foi realizada a primeira prova do Enem, no último domingo, 17.01. Além da resolução das 90 questões de múltipla escolha, os candidatos tiveram de desenvolver uma dissertação argumentativa sobre o tema “O estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira”.

A seguir confira um texto produzido pelo professor Nelson, da Escola de Redação Nelson Letras, sobre o tema deste ano. O prof. Nelson chama o candidato à atenção de que o tema não é simplesmente sobre doenças mentais, mas sim sobre o “estigma” associado a doenças mentais. Lembrando que, para a redação do Enem, não é necessário que o texto possua título.

O indivíduo com algum tipo de transtorno mental compõe uma sociedade que não o integrou. A exclusão social dessas pessoas busca esconder uma característica que é do próprio cidadão excludente, pois distúrbios mentais são manifestações de uma instância que todos os seres humanos possuem; “o consciente é – lembrando Sigmund Freud – apenas a ponta do iceberg, toda a parte abaixo do nível do mar é o inconsciente”, o qual precisa ser estudado para uma melhor compreensão da psiquê e suas idiossincrasias.  Com medo da realidade, o homem criou uma imagem sobre doenças mentais, de não aceitá-las como algo próprio do ser humano, de entendê-las como algo repulsivo, característica de seres imperfeitos, incapazes; trata-se de uma não-aceitação do próprio ser e de uma incoerente visão eugênica.

Uma boa ferramenta para se refletir sobre essa situação-problema é a Sétima Arte. Um dos filmes mais vistos no ano de 2019 foi a adaptação cinematográfica do personagem de HQ Coringa. O filme trouxe a discussão sobre como a sociedade, em vez de auxiliar aqueles que possuem transtornos mentais, age da maneira oposta, maltratando-os, anulando suas vidas – “a pior parte de ter uma doença mental é que a gente espera que você aja como se não a tivesse”. Essa aversão pelo distúrbio mental e por aqueles que o possuem causando-lhes a dor do existir, tem origem, em grande parte, no século XVII, nos “Hospitais gerais” e nas “Casas de internação” europeus em que os denominados loucos eram internados, muitas vezes, compulsoriamente, não para tratamento, mas sim para serem retirados da sociedade – em A história da loucura, o filósofo francês Michel Foucault analisa essa exclusão dos doentes mentais e a visão social de que estes parece não serem considerados seres humanos.

Em grande parte, a mente é um produto social, a qual capta todos os estímulos, assimilando experiências, emoções, produzindo o que é o indivíduo. Se a sociedade cria, por exemplo, a ideia de que a pressão sobre jovens que farão a prova do Enem é algo que todos têm a capacidade de enfrentar sem transtornos mentais como a ansiedade patológica, o próprio jovem não aceita a condição de acometimento de uma situação em que precisa de ajuda para sua saúde mental; ele não aceita a sua realidade de transtorno mental e, por medo de encará-la, pode ter problemas mais graves como a depressão. Já no século XIX, o filósofo Friedrich Nietzsche criticava a supervalorização da razão em detrimento da emoção, alertando que o homem não deve negar seu ser, mas sim vivê-lo como ele é.

Ter saúde mental é ter consciência de que a mente é complexa e de que doenças mentais não devem ser estigmatizadas, não devem ser compreendidas diferentemente, por exemplo, de doenças respiratórias ou cardiovasculares, a fim de que a procura por tratamentos psicológicos não seja rotulada de maneira depreciativa. Assim, é mister que o homem tenha acesso ao conhecimento que lhe permita não só uma autocompreensão mental, mas também anular a marca negativa, o preconceito, sobre distúrbios mentais. No Brasil, esse conhecimento deve ser orientado pelo MEC para ser abordado nas escolas, nas ciências como pela psicologia com pensadores como Freud, ou pela filosofia com intelectuais como Foucault e Nietzsche. O investimento governamental para esclarecimento sobre o assunto é imprescindível nas artes pelo apoio a produções cinematográficas, romances, peças teatrais, produções musicais etc. que abordem o conteúdo; e campanhas pelas mídias (inclusive digitais) como a “Janeiro Branco”, levando à sociedade a compreensão de que consciente e inconsciente compõem o mesmo ser.

 

 

 

ESCOLA DE REDAÇÃO NELSON LETRAS – MATRÍCULAS ABERTAS 2021

– AULAS INDIVIDUAIS OU EM GRUPO

– RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES

– AULAS REFLEXIVAS SOBRE TEMAS ATUAIS

RUA CORONEL FONSECA, 408, CENTRO, BOTUCATU. INFORMAÇÕES PELO WHATSAPP (14) 98171 44 84

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Em menos de 2 meses, Araraquara já tem mais mortes por Covid-19 que 2020 inteiro

Em menos de dois meses, Araraquara (a 273 km de São Paulo) já registrou mais mortes provocadas pelo novo coronavírus ...