Se em Cristo a sua compaixão o levou ao sofrimento, conosco não seria diferente. Sentir compaixão pelo outro é ‘mergulhar com ele em sua dor’.

Um líder espiritual diante de uma mulher assolada pela desgraça de ter perdido sua casa, seu marido e um dos filhos, num desastre ambiental, ouviu dela que não sentia mais vontade de viver, que não gostaria mais de continuar a respirar, sentia-se pesada para os demais filhos e netos.

Diante dessa fala ele pensou em auxiliar a jovem senhora com palavras positivas. Dizendo que os demais filhos estavam vindo para ficar com ela. Que os netos e netas tinham grande prazer em viver com ela, em estar com ela. E que ela tinha mais filhos para cuidar, desfrutar e continuar a viver.

À primeira vista o líder religioso fez um bom trabalho, mas no que diz a respeito da compaixão não há nada de cristão, nem de consolador em sua fala e posicionamento.

Essa é uma das grandes perdas da religião, de forma geral, a dificuldade com a dor, com a lagrima e com o luto.

Usando o exemplo dessa história, vemos no líder a tentativa de vencer ‘argumentativamente’ a pobre senhora enlutada. Ou seja, meu argumento é melhor que o seu.

Ele em outras palavras disse: ‘Olha, você precisa deixar de reclamar, de chorar, precisa ser mais positiva’. Palavras que soaram mais como acusação do que de consolação.

Nada mais castrador, nada mais sem compaixão do que o não ser capaz de mergulhar na dor alheia.

Talvez seja essa uma das doenças contemporâneas, não temos tempo a perder chorando, não queremos gastar nosso tempo chorando com a gente mesmo e com ninguém também.

Motivados pela síndrome do ser, do fazer e possuir, temos dificuldades com nossas chagas e com chagas alheias.

É verdade que Jesus disse: amem o próximo, como a vocês mesmos.

Não nos permitimos saborear o sal das nossas lagrimas, é claro e evidente que não teremos compaixão com o sal das lagrimas alheias.

Renato Ruiz Lopes

pastor da PIB  – Primeira Igreja Batista em Botucatu

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Inscrições para Cursos de Férias terminam neste sábado (14)

Estudantes do Ensino Médio, de escolas públicas de Botucatu e região, podem se inscrever gratuitamente, até 14 de dezembro deste ...