Últimas Notícias

“Nosso maior problema é o vírus ou a ignorância?”

Em 31 de dezembro de 2019, o sistema oficial de Saúde da China comunica à Organização Mundial da Saúde (OMS) que um grupo de 41 pacientes foi diagnosticado com uma pneumonia misteriosa.

Os casos desta nova síndrome gripal aumentaram de forma vertiginosa na China e sua caracterização identificou um novo vírus – o SARs-CoV2 – como sua causa. A partir do início de 2020, ele rapidamente se espalhou pelo mundo.

Chega ao Brasil em 26 de fevereiro, quando o primeiro paciente foi diagnosticado. Até aquele momento, a população brasileira mantinha-se tranquila, pois a nova gripe parecia algo distante de ocorrência na Ásia e Europa.

No entanto, os casos, acompanhados de um grande número de mortes, aumentaram rapidamente no Brasil, exigindo ações agressivas das autoridades. Infelizmente, o Governo Federal, na figura do Senhor Presidente da República, manteve-se incrédulo e firme na posição de que o problema não passava de uma “gripezinha”.

Felizmente, Governos Estaduais e Municipais, na sua maioria, conscientes do problema grave que se avizinhava, tomaram medidas mais duras no combate à pandemia. Principalmente no sentido do distanciamento social.

Embora estas ações positivas tenham feito a diferença, a irracionalidade nas palavras e no comportamento externado pela pessoa do Presidente da República, cada vez mais joga contra, incitando sempre a população a ações contrárias ao que prega instituições do mundo todo. Entre elas a OMS.

As atitudes do presidente em meio à pandemia se tornaram um grande problema para o Brasil, pois discursos sem embasamento e conhecimento de causa no combate ao vírus refletem a comportamentos da população que podem agravar a doença no país.

Enquanto o Presidente da República circula pelas ruas, toma cafezinho na padaria, abraça e aperta mãos de apoiadores, como se nada estivesse acontecendo, o país e o mundo enfrentam uma das suas maiores crises, cujo comparativo não existe na história recente da humanidade.

Mas a nação mostra-se maior que a figura do presidente, e instituições de pesquisa e serviços públicos se debruçaram de forma efetiva sobre o problema. Em tempo recorde, agências de fomento abriram editais e laboratórios de pesquisa direcionaram seus esforços na busca por soluções científicas e de enfrentamento da pandemia.

Com um cenário de mais de 10 mil mortes no país, temos que priorizar atitudes conscientes, em consonância aos especialistas na área, e proteger a população contra esse vírus. A vida deve estar sempre em primeiro lugar.

Neste momento, vemos claramente o papel da vasta rede de Educação e Ciência consolidada no Brasil ao longo de décadas, representada pelos institutos de pesquisa e universidades.

Profissionais das diferentes áreas, dentro e fora de laboratórios, na frente da tela dos seus computadores, nas suas salas de aulas virtuais, ao lado da cama de pacientes, ou mesmo sozinhos na sua filosofia, abraçaram a causa humana que a pandemia nos trazia e que exigia ações e reflexões rápidas.

É aceitável que exista uma parcela da população desinformada, que não recebeu acesso ao mínimo necessário de princípios de humanismo e educação, e que não entende a gravidade do momento que estamos enfrentando. No entanto, é incabível que uma destas pessoas seja o Presidente da República.

O representante do Estado Brasileiro não pode ser mal educado, ignorante, motivo de chacota mundo afora, e muito menos servir de péssimo exemplo ao nosso povo. O nosso representante máximo não pode fazer desdém à vida, e externar palavras que remetem falta de respeito e solidariedade às pessoas.

Enquanto o país agoniza na crise acentuada na última semana, o Senhor Presidente mostra-se mais preocupado com conchavos políticos cujo desdobramento mostra claro retrocesso na direção da velha política do toma-lá-dá-cá.

Frente a este vírus devastador, a sociedade brasileira tem respondido com tudo que temos de melhor em humanismo, assistência, educação, conhecimento e ciência – um verdadeiro pacto pela vida.

Senhor Presidente, “na política e na vida, ignorância não é uma virtude”.

Não seja nosso maior problema! Junte-se ao povo brasileiro no ataque ao vírus!

 

Cesar Martins, Biólogo e Doutor em Genética e Evolução

Diretor do Instituto de Biociências de Botucatu da UNESP

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

GEPOM apreende frascos de perfume de vendedores ambulantes em Botucatu

Na tarde de ontem, (06) a Equipe GEPOM da Guarda Civil Municipal em apoio a Fiscalização de Renda do Município ...