Home > Coluna Renato Ruiz Lopes > A Maldição de Ser Feliz

A Maldição de Ser Feliz

Ouvi a poesia que dizia:

[…] ‘Eu nasci, com a maldição de ser feliz
Eu só queria ser normal, sorrir só quando dizer xis
Procurei, alguma cura desse mal
Mas percebi que a maldição, estava mesmo em ser normal[…]’.

Assim inicia a poesia de um conjunto chamado REVERB- poesia e música. Somos assim, nascemos já imersos num mundo onde a felicidade parece uma maldição que nos abraça logo em nosso nascimento. Somos levados e ensinados, passamos a viver de tal maneira que onde o ter e conquistar coisas nos levarão a felicidade plena e real. Mas a cada conquista e cada passo dado à distopia é real.  Muitos não percebem, mas acabam se tornando reféns do desejo. Desejar e correr passam a significar sentido para uma vida feliz.

Jesus no Evangelho de Mateus 6: 33, nos convida a refletirmos sobre as preocupações com essa vida. E de como os cristãos correm o risco de se aparentarem aos pagãos vivendo de tal maneira. É perspicaz as conquistas e crescimento profissional e patrimonial, mas não é capital.

Essa maldição de ser feliz traz consigo a ilusão do sucesso, nos coloca diante de uma ‘pseudo-eudaimonia’ e nos faz como que escravos de uma maldição. Assim como Jesus ensinou, escrevo com objetivo de trazer uma perspectiva do Reino. Ele mesmo diz, no mesmo capítulo 5 que a VIDA é mais importante que a comida e o corpo mais importantes que roupa. Pois bem, se assim ele ensinou, precisamos como cristãos ouvi-lo. Na poesia encontrei ecos do Evangelho de Jesus, vejamos tais lições.

Guimarães Rosa, escreveu que a felicidade é encontrada nos raros momentos de distração. Eu pensei sobre, e esbocei que a felicidade mora nos interstícios, nos
lapsos de espaços onde ficamos absortos e sem a tentação de ceder a tal maldição de ser feliz. A felicidade não pode ser programada, nem pode ser comprada para ser
dada de presente. Acontece nas distrações e vulnerabilidades da nossa alma.

Encontrei ecos das palavras de Jesus também no livro O Pequeno Príncipe. Lá o personagem principal, em seu asteroide minúsculo, junto com sua rosa e sua raposa, encontra vários tipos de pessoas e diz que os adultos não conseguem ser felizes porque são adultos. Tem uma passagem no livro em que o pequeno príncipe narra a descrição de uma casa, com paredes brancas e janelas vermelhas, com telhado laranja, onde os pássaros cantam. Um adulto não consegue entender que
linda é uma casa como essa. Mas se alguém disser sobre uma casa de 300
mil reais o adulto logo exclamara: Que bela casa!!!

Talvez seja por isso que Jesus nos convida a ser como criança, ver a felicidade nas coisas em que o dinheiro não pode comprar. Assim como ele também ilustra no texto em destaque nesse tema de hoje. Assim podemos entrepor suas palavras: ‘Não é a vida mais importante que as coisas?’.

Fato é que enquanto você não buscar o reino de Deus em primeiro lugar,
não será quebrada tal maldição de ser feliz. Isaias 53 diz que o castigo que nos traz a paz estava sobre. E ele foi amaldiçoado por conta dos nossos pecados. Quando encontramos e buscamos o Reino e a sua justiça, encontramos uma nova e leve forma de ver e viver a vida. Aprendemos a discernir as cores, a ouvir o canto dos passarões, a ouvir o som da chuva, a brincar e abraçar nossos filhos de fato somos encontrados nos lapsos de felicidade. Seremos com discípulo amado, João, reclinaremos a cabeça no colo de Jesus e Ele nos convidará a apontar os pássaros no céu, a brincar com as formas das nuvens, a soprar bolhas de sabão. Talvez você vá perguntar a ele sobre a agenda, sobre como orar para agradecer, como fazer um curso para ser um funcionário-patrão-empresário-coach etc. melhor e ganhar mais dinheiro (na tentativa meritocrática e amaldiçoada de ser feliz) e ele vai te dizer: Vamos brincar!

Renato Ruiz Lopes

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Boletim Oficial COVID-19 HCFMB – 03/04/2020

Frente ao compromisso com a transparência nas informações prestadas, o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB) esclarece na ...