Confira texto elaborado pelo Prof. Nelson Letras sobre o tema de redação do Enem

E o tema da redação do Enem 2022 foi “Desafios para a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil”.  A seguir confira um texto produzido pelo professor Nelson, da Escola de Redação Nelson Letras, sobre o tema deste ano.

Na segunda metade dos anos 1980, a cultura musical brasileira abordava temas políticos, sociais como o fim da Ditadura Militar ou o descaso da Nação com seus povos originários. O poeta do rock Renato Russo levou Rádios AM e FM a fazer o brasileiro cantar com “Índios”: “Quem me dera ao menos uma vez/ Ter de volta todo o ouro que entreguei a quem/ Conseguiu me convencer que era prova de amizade/ Se alguém levasse embora até o que eu não tinha// Nos deram espelhos e vimos um mundo doente.”. Mas, embora brasileiros cantassem sobre a usurpação dos povos indígenas – numa busca por um perdão e pela reparação social -, a cultura etnocêntrica continuou predominando ao ponto de, décadas depois, o chefe do Poder Executivo externar falas como “cada vez mais o índio é um ser humano igual a nós”, ou “negros são pesados em arrobas”. Os povos tradicionais brasileiros, em 2022, continuam sendo roubados, violentados, assassinados; assim, é mister que o Estado exerça sua função permitindo a cidadania dos PCTs  e a compreensão social sobre a pluralidade de etnias brasileiras.

A política adotada pelo Governo Jair Bolsonaro tem atuado como o maior empecilho para a valorização dos Povos e Comunidades Tradicionais e para que estes tenham seus direitos respeitados. Sob uma óptica de Mercado em detrimento do Meio Ambiente – lembrando a frase do, na época, Ministro Ricardo Salles “passando a boiada e mudando todo o regramento” -, o incentivo à exploração de terras indígenas, de quilombolas, de ribeirinhos associado a uma política de desmonte de órgãos de fiscalização e controle do meio ambiente e de proteção aos brasileiros tradicionais implicou invasões de terras, desmatamentos, contaminação de rios e solo, sofrimento e até mortes de PCTs. Não só estes sofreram, mas também seus defensores, haja vista o assassinato dos defensores de Pindorama, o indigenista Bruno Pereira e o jornalista Dom Phillips.

Falsas concepções de realidade, ideologias etnocêntricas permeiam a cultura do Estado brasileiro e de grande parte da sociedade excluindo comunidades tradicionais. As falas de Jair Bolsonaro sobre indígenas e quilombolas são símbolos enraizados na cultura do País e de grande parte de seus indivíduos. A cultura existente na pluralidade da sociedade brasileira é considerada inferior pelos valores etnocêntricos passados de geração em geração pelos dominadores portugueses até os que detêm o poder atualmente. Estes se veem como superiores em aspectos culturais, religiosos, de hábito a povos que vivem da natureza, mas sem explorá-la, e sim como sendo parte dela. Trata-se de uma não compreensão da realidade como ela é e de um preconceito, de uma repulsa fundamentados em abjetos valores supremacistas.

Logo, o Estado necessita agir na organização política de modo a valorizar seus povos tradicionais, os quais, de acordo com a Legislação, são vinte e seis. Os desafios de valorização desse Brasil que sofre discriminação consistem, principalmente, em o País possuir governantes que se preocupem com seus cidadãos. É fundamental, a partir de 2023 – com o novo chefe do Executivo -, a criação pelo MEC de uma disciplina de Ciência Política obrigatória nas escolas para que a sociedade tenha consciência do voto em representantes que valorizem os povos tradicionais; a fim de que, assim, o Estado não só crie e execute leis como também destine verbas para proteção de áreas ambientais e respeito aos direitos de comunidades minoritárias. A criação de um Ministério de Povos Originários deve ocorrer, uma vez que este pode ser o responsável pela organização da defesa dos povos tradicionais. Além disso, é importante que os Parâmetros Curriculares Nacionais sejam colocados em prática nas escolas com a valorização de aulas de Sociologia, História e Filosofia com o objetivo de formar a consciência cultural no corpo discente, visto que a pluralidade cultural brasileira deve ser respeitada da mesma forma que a cultura de origem europeia.

ESCOLA DE REDAÇÃO NELSON LETRAS

– AULAS INDIVIDUAIS OU EM GRUPO

– RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES

– AULAS REFLEXIVAS SOBRE TEMAS ATUAIS

RUA JOÃO PASSOS, 1721, CENTRO, BOTUCATU. INFORMAÇÕES PELO WHATSAPP (14) 98171 44 84

Sobre Régis Vallée

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.