Em ato contra morte de patriota, bolsonaristas miram STF e “Xandão”

No ato convocado para protestar contra a morte de Clériston Pereira da Cunha, na tarde deste domingo (26/11) em São Paulo, parlamentares bolsonaristas concentraram as críticas ao Supremo Tribunal Federal (STF) e pediram o impeachment do ministro Alexandre de Moraes. Clériston estava preso por participação nos atos de 8 de janeiro e morreu essa semana na Penitenciária da Papuda, em Brasília.

Aos gritos de “Fora, Xandão”, manifestantes preencheram três quarteirões da Avenida Paulista, na altura do Museu de Arte de São Paulo (Masp). Em frente ao museu, foi posicionado um carro de som em que deputados federais, estaduais e senadores discursaram contra o STF e o governo Lula. O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) não compareceu ao ato.

Recebido sob gritos de “prefeito”, o deputado federal Ricardo Salles (PL-SP) disse que a direita brasileira vive hoje “o pesadelo do resultado das eleições do ano passado”.

“Vamos nos livrar daquele que usurpou o lugar do verdadeiro presidente da República, Jair Messias Bolsonaro”, disse, em referência à vitória de Lula.

Salles defendeu os manifestantes que estiveram nos atos antidemocráticos de 8 de janeiro e falou que as punições deveriam ser aplicadas apenas aos que depredaram algum tipo de patrimônio.

“Ninguém dá golpe num domingo num prédio vazio. Isso é balela. Os brasileiros têm o direito de se manifestar”, disse. Muitos manifestantes vestiam roupas verde e amarelo e carregavam bandeiras do Brasil, de Israel e da monarquia brasileira.

Decisões “pornográficas”

Quem também participou do ato foi o deputado federal Nikolas Ferreira (PL-MG). “Alexandre de Moraes, o Brasil não tem medo de você”, disse Ferreira, em um dos discursos mais aplaudidos pelos manifestantes.

Já o senador Magno Malta (PL-ES) fez um dos pronunciamentos mais longos. Autor de uma PEC contra o aborto, ele fez duras críticas à prática, cantou um louvor (veja abaixo) e se disse orgulhoso por ser cristão. Também afirmou que o STF não é “arena política” e discursou contra as decisões monocráticas.

“Vamos acabar com as decisões pornográficas do Supremo Tribunal Federal”, disse Malta.

O pastor Silas Malafaia, um dos organizadores do ato deste domingo, disse que o Brasil não tem um Supremo Tribunal Federal, mas um “Supremo Tribunal Político”. “Quem escapar da Justiça dos homens não vai escapar da justiça divina”, afirmou.

O ato, que teve início às 14h, foi encerrado por volta de 16h30, quando a multidão cantou o Hino Nacional e, na sequência, gritou: “Lula ladrão, seu lugar é na prisão”.

A morte de Clériston

Clériston Pereira da Cunha era um dos presos por participar da invasão aos prédios dos Três Poderes em 8 de janeiro. Ele sofreu um ataque cardíaco e morreu na segunda-feira (20/11), durante banho de sol na Papuda.

Segundo relatos de detentos à Defensoria Pública do Distrito Federal (DPDF), o socorro demorou cerca de 40 minutos para ser prestado. Os custodiados também relataram que não havia desfibrilador e cilindro de oxigênio no local.

Em julho, um laudo médico apontava risco de morte caso Cleriston continuasse preso. O documento apresentava um quadro de vasculite — inflamação nos vasos sanguíneos — de múltiplos órgãos.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) chegou a emitir um parecer favorável à liberdade provisória do “patriota”, mas a manifestação não chegou a ser apreciada pelo Supremo.

“Ele deu a vida por mim e por vocês. Não deixem a imagem dele ser esquecida”, disse uma das filhas de Clériston, presente ao ato na Avenida Paulista.

Fonte: Metrópoles

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.