Geração nem-nem: a triste estatística brasileira

Poucos dias antes da data de aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, o IBGE apresentou uma triste estatística que indicou 10,9 milhões de jovens de 15 a 29 anos que nem estavam estudando e nem trabalhando, em 2022.

O número de jovens brasileiros da geração nem-nem é maior do que todo o volume da população de Portugal, que era de 10,3 milhões de habitantes em 2022. Portanto, o Brasil tem milhões de jovens sem os direitos ao emprego e à educação, fato que representa um grande desperdício do potencial produtivo do país. Jovens sem perspectiva serão idosos sem esperança.

A publicação “Síntese de indicadores sociais 2023”, do IBGE, com base nos dados da PNAD contínua, traz informações importantes sobre a geração nem-nem na última década (2012-2022). O Brasil tinha 51,9 milhões de jovens de 15 a 29 anos em 2012 e 48,9 milhões em 2022, sendo que 4 em cada 10 destes jovens estavam exclusivamente ocupados na década. Em 2012 havia 43,7% dos jovens só ocupados, este percentual veio caindo, atingiu o nível mais baixo (35,1%) durante a pandemia da covid-19 e recuperou parcialmente para 41,3% em 2022. O percentual de jovens só estudando variou de 21,8% em 2012 para 24% em 2022. Os jovens estudando e trabalhando variou de 13% em 2012 para 12,4% em 2022. Ou seja, cerca de 50% dos jovens brasileiros de 15 a 29 anos não estavam ocupados na última década.

Pouco mais de 1 em cada 5 jovens compunham a geração nem-nem e não estavam nem trabalhando e nem estudando. Segundo a publicação do IBGE: “Esse indicador é, portanto, uma medida mais rigorosa de vulnerabilidade juvenil do que a taxa de desocupação, pois abrange aqueles que não estavam ganhando nem experiência laboral nem qualificação, possivelmente comprometendo suas possibilidades ocupacionais futuras. Tal indicador compõe a meta 8.6, que pretende reduzir substancialmente a proporção de jovens de 15 a 24 anos sem emprego, educação ou formação, como parte do ODS 8 para promoção de emprego decente e crescimento econômico, presente na Agenda 2030 promovida pelas Nações Unidas”.

O gráfico abaixo mostra que entre os jovens de 15 a 17 anos a grande maioria estava estudando e entre os jovens de 25 a 29 anos a grande maioria estava trabalhando. Mas o que chama a atenção é que entre os jovens de 18 a 29 anos, cerca de 1 em cada 4 jovens (25%) não estavam nem trabalhando e nem estudando.

O gráfico abaixo mostra que entre os jovens de 15 a 29 anos, existe um maior percentual de homens trabalhando e um maior percentual de mulheres estudando. Entre os adolescentes de 15 a 17 anos, a maioria estava estudando, com taxas mais elevadas entre as mulheres. Entre os jovens de 18 a 24 anos, o percentual de nem-nem é de 21,4% entre os homens e 34,3% entre as mulheres. Entre os jovens de 25 a 29 anos, o percentual de nem-nem é de 14,5% entre os homens e 33,8% entre as mulheres.

As mulheres predominam entre os jovens nem-nem por conta da gravidez na adolescência (ou em idades jovens) e devido à divisão sexual do trabalho que sobrecarrega o sexo feminino com as atividades da reprodução e do cuidado. A falta de políticas efetivas de direito sexual e reprodutivo – incluindo a falta de acesso aos métodos de regulação da fecundidade, aumentam o número de gravidez indesejada e acabam excluindo as mulheres do mercado de trabalho.

O gráfico abaixo mostra que a incidência dos jovens nem-nem é maior entre a população negra (preta + parda), sendo que mais de 40% dos jovens nem-nem são mulheres negras, especialmente aquelas pobres e da periferia das grandes cidades. A segregação social e espacial gera um grande desperdício do potencial produtivo do país e diminui as oportunidades de aumento do bem-estar coletivo.

alto número de jovens nem-nem no Brasil é uma verdadeira tragédia social, pois reflete a falta de oportunidade para os jovens que não estão na escola e no mercado de trabalho. Isto acontece na sua grande maioria entre a população pobre e contribui para reforçar ainda mais os níveis de pobreza, pois sem a inserção no mundo do trabalho e sem níveis educacionais adequados estes jovens dificilmente conseguirão apresentar uma mobilidade social ascendente.

Os idosos de hoje dependem das novas gerações e os jovens de hoje serão os idosos do futuro. A bolha de jovens de hoje será a bolha de idosos de amanhã. Sem uma completa integração educacional e produtiva não haverá bem-estar para todos. Os jovens que nem estudam e nem trabalham estão mais propensos a serem manipulados por atividades criminosas e serem vítimas da violência.

Como mostra o Pisa, um dos principais testes de avaliação da qualidade da educação básica do mundo, os jovens brasileiros que estudam permanecem entre os últimos do mundo no desempenho em matemática, ciência e leitura, Evidentemente, a situação é ainda pior entre os jovens nem-nem.

Se nada for feito para mudar esta situação, o Brasil jogará fora a sua plena perspectiva de um futuro saudável e sustentável.

Referências

ALVES, JED. Demografia e Economia nos 200 anos da Independência do Brasil e cenários para o século XXI (com a colaboração de GALIZA, F), ENS, maio de 2022
https://ens.edu.br:81/arquivos/Livro%20Demografia%20e%20Economia_digital_2.pdf

IBGE. Síntese de indicadores sociais : uma análise das condições de vida da população brasileira, Coordenação de População e Indicadores Sociais. – Rio de Janeiro : IBGE, 2023.
https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv102052.pdf

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.