Viver é muito perigoso

Hoje eu me levantei com essa frase de Guimarães Rosa na cabeça. Viver é, de fato, muito perigoso. E a cada dia que passa fica mais perigoso ainda. Que fique claro, caro leitor, não estou me referindo à pandemia, à COVID-19. Muito antes disso, viver já era muito perigoso. São tantas armadilhas que surgem que, se a gente não estiver prevenido, é apanhado, é colocado fora de combate.

Viver é perigoso para as crianças, que têm poucas defesas para os perigos que surgem. Quando eu era criança – isso já faz muito tempo – eu ia, a pé, sozinho para o Grupo Escolar Napoleão Corule. Hoje, nem pensar! Os pais é que levam. Ou contratam um transporte escolar, para que o filho tenha mais segurança. E ainda ficam rezando, em casa, para que nada de ruim aconteça. Viver é perigoso para os adolescentes. Se não tomarem cuidado, entrarão num mundo de drogas legais e ilegais do qual dificilmente conseguirão sair. Os pais, além de educadores, têm que ser policiais dos filhos, para socorrerem ao mínimo sinal de irregularidade. Mas como socorrer os filhos que estão numa festinha na casa de um amigo? Como saber o que será oferecido ao filho, nessa festinha? É orientar e rezar. Só que isso nem sempre dá certo, pois o filho prefere fazer tudo para enturmar com o grupo a seguir a orientação dos pais. Antigamente, festinha em casa de amigo era festa de aniversário, com a presença dos pais. Hoje as festas são para quando os pais forem viajar. Viver é perigoso para os jovens. Se os pais deixam os filhos dirigir o carro, correm risco. Racha, abuso de velocidade, velocidade com bebida… Se você não lhe entrega o carro, torna-o um babaca, antiquado, covarde, ET da turma. Oh dúvida cruel! Viver é perigoso para os adultos. Você tem que trabalhar muito mais do que suas forças suportam, para sustentar a sua família. As despesas agora são muito maiores. Os filhos já estão na universidade e têm as despesas dobradas. E as coisas pioram quando você perde o emprego e, humilhado, tem que tomar decisões drásticas para a sobrevivência. Antes, as exigências da sociedade eram muito menores. E os sacrifícios dos pais, embora existissem, não eram tão massacrantes. Viver é muito perigoso para os velhos. Não bastassem as dores de todos os dias, o enfraquecimento do corpo, o aumento da insegurança, as dificuldades visuais e motoras, é bom lembrar que vivemos no Brasil, um país que não está acostumado à velhice. Os idosos, em vez de serem protegidos, são tratados como um peso extra a ser carregado. Os governantes desprezam a velhice. Vivemos num estado, por exemplo, em que o governador nos obrigada a pagar pela nossa aposentadoria, mesmo já estando aposentados, tirando-nos significativa importância dos salários. Assim, pagamos por uma aposentadoria pela qual já pagamos, e nos falta o dinheiro para os inevitáveis remédios.

Guimarães Rosa sempre teve razão: Viver é muito perigoso.

BAHIGE FADEL

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Inscrição para o Ensino de Jovens e Adultos começa na próxima segunda-feira

A Secretaria Municipal de Educação informa que na próxima segunda-feira, 27, terá inicio a inscrição para novas turmas do Ensino ...