Campanha Sinal Vermelho tem início em Botucatu

A Campanha Sinal Vermelho, que busca conscientizar a população sobre a violência doméstica teve início essa semana em Botucatu. O Tribunal de Justiça de São Paulo, representado pela Juíza Dra. Cristina Escher, titular da 2ª Vara Criminal da Comarca de Botucatu, iniciou a implantação do projeto que tem parceria com a Secretaria Municipal de Segurança, Polícia Militar, Polícia Civil, Guarda Civil Municipal e Sincomércio.

A campanha é uma adesão ao projeto iniciado pelo Conselho Nacional de Justiça – CNJ e Associação dos Magistrados do Brasil – AMB, em que também faz parte a Associação dos Juízes do Estado de São Paulo – APAMAGIS.

“Essa campanha visa socorrer mulheres com dificuldades para pedirem socorro diretamente às delegacias. Se iniciou na pandemia, porém, em razão do sucesso da campanha, tende a permanecer”, afirmou a juíza Cristina Escher durante o encontro que deu o pontapé inicial na campanha em Botucatu.

Participaram do evento ocorrido na última segunda-feira, 03, no 12º Batalhão de Polícia Militar do Interior, em Botucatu, o Secretário Municipal de Segurança, Marcelo Emílio de Oliveira, o comandante do 12ºBPMI Tenente Coronel José Semensati, e o coordenador operacional Major Alexander Cagliari, o capitão Anderson Mariotto, comandante da 1ª Companhia de Polícia Militar de Botucatu, o subcomandante da Guarda Municipal, Sidnei Picchinin, o delegado seccional de Polícia Civil Lourenço Talamonte, a presidente do Sincomércio Fátima Baldini, e outras autoridades e representantes das Forças de Segurança.

“A Campanha Sinal Vermelho consiste basicamente na mulher se dirigir aos estabelecimentos participantes do projeto, e ela saberá quais o são porque esses locais ostentarão uma propaganda em local de fácil visibilidade, e, de forma discreta, mostrar um sinal X vermelho em sua mão. Esse sinal X, pode ser até mesmo simulado por ela e de qualquer cor, apenas deve ser feito de uma forma clara para que o funcionário do local entenda seu pedido de socorro”, explicou Marcelo Emílio.

Esse funcionário, também de maneira discreta, anotará seu endereço e seu nome e repassará a uma das Forças de Segurança, que enviará uma viatura ao local para encaminhar essa vítima à delegacia mais próxima.

Caso essa vítima não consiga por qualquer motivo esperar o socorro, a viatura irá até o endereço anotado pelo funcionário do local.

“Bom deixar claro que este funcionário será apenas o comunicador do fato e não figurará no processo nem mesmo como testemunha, não se envolvendo na problemática”, finalizou Cristina Escher.

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Últimas atualizações do Boletim Corona Virus para a região de Botucatu

O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB) atualiza suas principais informações desta sexta-feira, 11 de setembro: ...