Últimas Notícias

Maldade Humana

Recentemente, estava lendo um artigo de Maria Melo, Life coach e cofundadora da Academia do Ser, publicado na revista Progredir, sobre a maldade humana. O artigo me chamou a atenção. Não que suas ideias me tenham surpreendido pelo inusitado. Não. Como um simples observador, muitas vezes notei que o ser humano tem dentro de si o instinto da maldade. Sim. A maldade proposital e consciente. Não estou me referindo à maldade patológica. Essa é uma doença e, por isso, deve ser tratada como tal. Estou me referindo à maldade consciente de pessoas consideradas normais. Elas se acham no direito de serem más. Acham que prejudicar os outros com os seus atos é um direito delas. Seguem a lei do mais forte: se eu posso, eu faço. É a lei da selva. A lei do mais forte. Conto sempre um fato ocorrido numa sala de aula de cursinho pré-vestibular, com aproximadamente cento e cinquenta alunos. Um rapaz chegou atrasado, no primeiro dia de aula. Só havia vaga na primeira fileira. Era uma dificuldade chegar até lá. O rapaz se esgueirava entre os alunos, com dificuldade. No meio do caminho, um aluno colocou a perna para o rapaz tropeçar. E isso aconteceu. Não houve solidariedade de ninguém. Não houve empatia. Houve apenas uma vaia ensurdecedora. O rapaz nunca mais apareceu.

O que me chamou a atenção no artigo de Maria Melo foram algumas ideias ali colocadas. Uma delas foi a de Mencio Mong Tse (371 a.C. – 289 a.C), pensador chinês: “os seres humanos são naturalmente bons, agem dentro da moralidade, são dotados de compaixão e da capacidade de distinguir o bem do mal e, por isso, o mal é resultado de influências externas”. Esse pensador é seguido por Rousseau, que dizia que ‘o homem nasce bom, a sociedade é que o corrompe’.

Assim, por esses pensadores, o ser humano aprende a ser mau. Tudo bem. A gente pode aprender um monte de coisas. O que é difícil entender é que, se ele aprende a ser mau, aprende também a ser bom. Aprendendo as suas coisas, por que escolhe ser mau, e não ser bom?

Mais à frente, a articulista afirma que ‘as pessoas associadas à maldade comum apresentariam características como o narcisismo e egoísmo exacerbado, com tendência à vitimização, possuindo uma incrível preguiça para a escolha do bem, com uma grande capacidade de mentir, de esconder as suas intenções, de reverter situações e mascarar quadros, bem como uma preocupação com a aparência, inclusive do ponto de vista da legalidade.’ Vejam que ela se refere à maldade comum, não à maldade patológica. São pessoas tidas como normais que, por narcisismo e egoísmo exacerbado, optam pela maldade. São pessoas que seguem a máxima de Gérson: ‘o negócio é levar vantagem em tudo’. Nem que seja para pisar a cabeça do outro. Nem que seja para prejudicar os outros em seus direitos.

Voltando ao artigo, Maria Melo cita psicólogos americanos Stanley Milgram e Philip Zimbardo: ‘o mais pacato dos seres humanos poderia cometer atos terríveis se assim lhe fosse ordenado pelas autoridades, pois teríamos uma tendência inata à obediência e à submissão.’ Isso que dizer que a maldade humana pode estar relacionada à tendência à submissão e obediência do ser humano. Essa é a reação de rebanho. As pessoas podem agir como o gado, obedecendo às ordens dos superiores. Se os superiores forem maus, pessoas comuns, normais podem agir como más, em obediência a seus superiores. Muitas autoridades contam com isso, para submeter cidadãos comuns às suas vontades, nem sempre de acordo com a moral e a ética.

Vou terminar esta reflexão com um pensamento de Albert Einstein: “O mundo não está ameaçado pelas pessoas más, e, sim, por aquelas que permitem a maldade.”

BAHIGE FADEL

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Sessão ordinária da Câmara Municipal de 15 de agosto tem três projetos em pauta

A sessão ordinária de 15 de agosto na Câmara de Botucatu conta com três projetos em pauta. Os vereadores devem ...