Você sabia que a região da Cuesta Paulista tem muitas fazendas de plantação de café?

Em 1920, todo o território municipal tinha mais de 12 milhões de pés de café, sendo os maiores cafeicultores: Manoel Ernesto Conceição (Conde de Serra Negra), cujas três Fazendas (Valla, Vila Victória e Challet) possuíam juntas 615 mil pés plantados; e o Dr. João Baptista da Rocha Conceição, cuja Fazenda Lajeado tinha, então, 600 mil.

Esta fazenda, hoje, abriga a Faculdade da Unesp, o Museu do Café e um centro histórico lindo para passear.

UM POUCO DE HISTÓRIA:

Em 1881, o advogado João Batista da Rocha Conceição, comprou a Fazenda Lageado e com ajuda da mão-de-obra escrava, iniciou a plantação.

Logo após, a escravidão foi abolida, e assim a produção de café deu emprego a muitas pessoas incluindo imigrantes italianos.

Nesta mesma época, foi descoberta uma nova variedade de café: o café “amarelo de Botucatu” que atingiu popularidade internacional.

Em 1929, o país passou por uma grande crise, e a fazenda foi vendida ao Governo Federal.

A Fazenda Lageado teve uma importância fundamental para o desenvolvimento da cidade, uma das evidências disso é a estação ferroviária que foi construída dentro da fazenda e dessa forma, os grãos de café saiam de trem direto de dentro da fazenda para o porto de Santos e de lá eram exportados para a Europa.

TURISMO:

Para quem gosta, é possível fazer um passeio dentro da plantação de café da Fazenda São Pedro, o chamado Coffee Tour

O passeio inclui : visita ao cafezal, colheita seletiva, pós-colheita e processamento, torra, degustação, o passeio tem duração de 2h30.

A fazenda fica na serra de Pardinho e é um local espetacular com um mirante de tirar o fôlego. No local há uma cafeteria, o Cuesta Café, que fica na entrada da fazenda onde servem os cafés produzidos por eles, e também uma variedade de bolos, salgados e diversas bebidas.

O mirante tem vista de 360 graus com um pôr do sol incrível ao lado do lago da propriedade.

Outro café muito conhecido na região é o Café Tesouro, que tem sua fábrica em Botucatu.

Em Janeiro de 1926, o Sr. João Spenciere, montou em Botucatu, uma torrefação de café, que seria na época a primeira empresa instalada com a finalidade de industrializar o café e entregá-lo pronto para o consumo.

Hoje é um dos cafés mais conhecidos na região, chegando a produção de 4 toneladas diárias.

Um café que vale a pena ser falado também, é o Café Pelosini da região de Pardinho, vindo do Sítio Daniella, de variedade Catuaí vermelha e amarela, Tupis e Aranã, foram premiados inúmeras vezes pela qualidade e sabor.

Há ainda outras fazendas com plantações de café espalhados por toda a Cuesta Paulista, como a Fazenda da Pavuna, Fazenda Santana e muitas outras que surgiram após meados dos anos 1900, quando os imigrantes começaram a sair das grandes fazendas e foram trabalhar em suas próprias plantações.

Esses importantes imigrantes, além de trazerem sua cultura e arquitetura à Botucatu, trouxeram métodos construtivos e de colheita, como a primeira máquina de beneficiamento de arroz trazida pelo Italiano Amadeu Piozzi, que consiste na retirada da casca e do farelo para a obtenção do arroz branco para o consumo , e assim foi se criando uma crescente e forte economia urbana a região.

Colunista: Juliana Gomes

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.