Geral

Moradores de rua encontram abrigo no morro de Rubião Júnior em Botucatu

A reportagem do Alpha Notícias, recebeu uma demanda em dezembro de 2023, sobre um morador em situação de rua dormindo no morro de Rubião Júnior, especificamente debaixo das torres de TV. Na ocasião, foi feita uma matéria e encaminhada às secretarias responsáveis pelas pastas.

E com o compromisso de dar retorno à população, a Alpha sempre volta para certificar se a demanda foi resolvida. E nessa nessa quarta-feira (15), a equipe esteve no local e constatou que não foi resolvido o problema.

O Morro de Rubião Júnior é um ponto religioso e turístico do município, recebendo dezenas de pessoas ao dia. A equipe conversou com a senhora Elisabete, uma turista vindo da cidade de Bauru.

A matéria feita novamente no local foi enviada nessa quinta-feira (16), aos secretários que cuidam dessa demanda. A senhora Elisabete vem todo mês à Botucatu para acompanhamento médico no Hospital das Clínicas e Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB),e sempre visita a igreja de Santo Antônio.

Alpha Notícias:Qual a sensação de segurança que a senhora tem, ao se deparar com uma situação como essa”?

Elisabete: “É complicado! Realmente, me sinto insegura, porque a gente não sabe da intenção da pessoa, se é ou não perigosa. Aqui é um local muito bonito e  gostoso, e a gente acaba deparando com essa situação, e talvez com risco de ser assaltada, ou até coisa pior, né?

É preciso ter um lugar para acolher essas pessoas, que possa estar dando assistência. Aqui é um lugar aberto sem proteção nenhuma, com possibilidade de tomar chuva, passar frio, e talvez até sem alimento. E não é preconceito ou discriminação, mas pode até ser um usuário de drogas, que para sustentar o vício pode até mesmo assaltar. Por isso acho de extrema importância da polícia e do Serviço Social estar visitando esses moradores e dando um auxílio“. finalizou

Respostas das secretarias;

Rosemary Pinton, Secretária de Assistência Social de Botucatu

“Boa tarde Fernando, agradeço pelas informações. Em relação as medidas, temos a informar que as abordagens sociais tem sido intensificadas para pessoas em situação de rua no município pelas politicas de Assistência Social, Saúde e Segurança Pública. Inclusive, neste local a pouco tempo foi identificado uma pessoa que estava utilizando o local como moradia, na qual o Espaço Acolhedor fez a abordagem e encaminhamento para a família.

O trabalho realizado para a população em situação de rua, tem como objetivo atender de forma especializada e qualificada pessoas que fazem da rua local de moradia e sobrevivência, promovendo construção conjunta com o usuário de seu processo de saída das ruas, o desenvolvimento de sua sociabilidade, autonomia e novos projetos de vida, atendimentos estes tanto pela Assistência Social quanto pela equipe do Consultório na Rua (Saúde).

Iremos ao local novamente para verificar se existem outras pessoas nestas condições”.

Leandro Destro Comandante da Guarda Municipal

Boa tarde. O cidadão que ali se abriga, é assistido pelo Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) de Rubião Júnior, e sempre que interpelado não aceita ir para o espaço acolhedor.

Em tempo de frio intenso conseguimos leva-lo para o Espaço Acolhedor na manhã ele já retorna para Rubião. Já está pelo local há mais de 3 anos.

O patrulhamento é realizado de forma constante e rotineira, sempre que é avistado é oferecido auxílio, porém sempre declina. Situação muito comum com a população em situação de rua, infelizmente.

Fato crescente em todas as cidades do interior e mais ainda na Capital“.

Acompanhe a entrevista completa através do link

Especialistas de Mato Grosso afastam risco da falta de arroz por conta das chuvas no Sul

Os temporais e enchentes que afetam o Rio Grande do Sul desde o fim de abril provocam mudanças no comportamento de alguns consumidores em Mato Grosso, em especial por causa de um item: o arroz. Mas há risco do cereal faltar?

De acordo com a Associação de Supermercados de Mato Grosso (Asmat), até o momento não há falta de arroz nas gôndolas, mas a expectativa é que o preço do arroz aumente mesmo com a colheita de cerca de 50% no sul e o anúncio do Governo Federal em importar arroz.

Nos supermercados de Mato Grosso, o preço do pacote de arroz de 5 kg varia entre R$26,99 e R$29,99. O gerente de supermercados, David Dias explica que alguns fornecedores não estão recebendo pedidos e que tem percebido que os clientes tem levado mais pacotes pra casa.

“Risco de desabastecimento devido aos distribuidores acredito que não vá ter, mas pode ter um desabastecimento no mercado porque as pessoas vêem as notícias e levam mais pacotes para casa”, explica.

A dona Rodes é cozinheira há 25 anos e prepara refeições para cerca de 180 pessoas por dia. Segundo ela, por mais criatividade que tenha, é impossível substituir o arroz nas refeições.

“Eu cozinho 15kg de arroz por dia e 6kg de feijão. A gente até pode cozinhar macarrão, mas não ficamos sem arroz”, conta.

Segundo a diretora executiva da Associação Brasileira das Indústrias de Arroz (ABIARROZ), Andressa Silva, o Brasil produz em média 11 milhões de toneladas do cereal por ano. Para ela, a boa notícia é que a maior parte da produção do Rio Grande do Sul já foi colhida, mas o volume de compra pode desestimular os produtores a investirem no arroz no próximo plantio, previsto para o mês de setembro.

“Antes das enchentes, cerca de 80% da produção já havia sido colhida e é possível que haja mudança de preço pela questão logística, já que percursos que levavam 3 horas agora levam 11 horas para serem feitas”, diz

Fonte: G1

Programa de Localização e Identificação de Desaparecidos ajuda no trabalho da Polícia Civil

O #PLID (Programa de Localização e Identificação de Desaparecidos) efetua um cadastro de desaparecimentos que usa e sistematiza dados de diversas fontes, auxiliando no processo de localização e/ou identificação de pessoas desconhecidas. Busca, ainda, desenvolver estudos e fazer apontamentos acerca do desenvolvimento de políticas públicas voltadas à questão do desaparecimento de pessoas, bem como firmar convênios que demonstrem ser possível o aprimoramento das investigações de busca.

Embora o trabalho do PLID não substitua a apuração realizada pela Polícia Civil do Estado de São Paulo, é possível encaminhar casos para serem acompanhados de forma complementar.

Acesse a página do PLID no link na bio e veja o passo a passo para realizar o cadastro.

#Desaparecidos#PessoasDesaparecidas#PrestaçãoDeServiço#Desaparecimento

#DescriçãoDaImagem#ParaTodosVerem: Na parte superior da imagem, está escrito, em letras vermelhas, a palavra “Desaparecidos”. Abaixo, há uma foto em tons de cinza de um quebra cabeça, com uma peça faltando. Embaixo da foto, está escrito, em letras cinzas, “Registre o BO e, logo após, informe o caso ao MPSP preenchendo nosso formulário”. Em letras vermelhas, lê-se “Não é necessário aguardar 24h”. No rodapé, está o logo do MPSP na cor vermelha, rodeado de uma linha vermelha na horizontal de cada lado. Fim da descrição.

Imagens/Divulgação

Marco Talamonte recebe Moção pelo 1º lugar no Concurso Estadual de Cartões de Natal

No início da noite desta segunda-feira (06), os vereadores Marcelo Sleiman (MDB), Palhinha (PSD) e Alessandra Lucchesi (PSB) realizaram a entrega de uma moção de congratulações de suas autorias.

A honraria foi destinada ao aluno da APAE de Botucatu, Marco Aurélio Vieira de Camargo Talamonte, pela conquista do 1º lugar no Concurso Estadual de Cartões de Natal, promovido pela Federação das APAES do Estado de São Paulo, no ano passado.

A premiação representa o quanto a arte auxilia positivamente as pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), visto que contribui para melhorar o convívio social, familiar e escolar, no que diz respeito à capacidade de interação, comunicação, ensino e aprendizagem.

As feiras livres acontecem no período diurno e noturno, facilitando aos consumidores

Confira os locais e dias de funcionamento das feiras livres em Botucatu. As feiras acontecem no período diurno e noturno, facilitando o acesso aos consumidores.

Em Botucatu, a população pode contar com sete feiras livres durante toda a semana em todos os quatro cantos da Cidade; e para quem trabalha durante o dia, tem também opções noturnas.

Confira os horários e locais:

Feiras livres no período da manhã, das 06 às 12 h:

– Quintas-feiras: Em frente à Catedral Metropolitana de Botucatu, no Centro; – Sábados: Em frente ao Hospital do Bairro, na Vila dos Lavradores e Feira Orgânica Botucatu, no Espaço Cultural, no Centro – Domingos: Em frente ao Corpo de Bombeiros, na Vila São Benedito. Feiras livres no período da noite, das 16 às 20 h:

– Terças-feiras: Praça Emílio Pedutti (Praça do Bosque), no Centro; – Quartas-feiras: Praça dos trailers no Comerciários;

– Quintas-feiras: Residencial Maria Luiza, na Rua Carlos de Rosa; – Sexta-feira: Em frente ao Residencial Cachoeirinha

Todas as feiras em funcionamento na Cidade passam por fiscalização da Vigilância Sanitária do Município, para garantir a qualidade dos produtos comercializados. Os interessados em participar como vendedores nas feiras devem entrar em contato com a Secretaria do Verde pelo telefone (14) 3811-1533.


					

Ciclista que caiu de ponte fazia fotos em locais perigosos; sepultamento é nesta terça

A morte da ciclista Kelly Stefani de Oliveira Alves, de 39 anos, causou comoção na internet. Além de jovem, mãe de um garoto de 7 anos e atleta, Kelly também adorava turismo de aventura.

Era acostumada a fazer longos circuitos de bicicleta e gostava de ir a locais perigosos, inclusive para fazer fotos. Moradora de Rio Claro, Kelly morreu no último domingo de manhã (28), ao cair com a bike da chamada “Ponte do Esqueleto.

O local é frequentado por vários ciclistas e por amantes de práticas esportivas radicais, como o Bungee Jump.

Em suas redes sociais, Kelly tinha vários registros antigos feitos na própria “Ponte do Esqueleto”, em locais extremamente perigosos. A ponte, inacabada, existe há mais de 20 anos e liga as cidades de Limeira e Cordeirópolis.

O que aconteceu?

No domingo, a ciclista passeava com o marido e um grupo de amigos de bicicleta. Ao cruzar a ponte, se desequilibrou e caiu de aproximadamente 15 metros de altura. A queda foi junto com a bike. O socorro foi acionado, mas ela não resistiu e morreu no local.

Kelly é de Rio Claro e será sepultada nesta terça-feira (30). Seu velório acontece a partir das 10h no Memorial Cidade Jardim e ela será cremada no Crematório Memorial Cidade Jardim às 14h.

Fonte: JCNET

Motoristas das categorias C, D e E têm até 3ªfeira para fazer exame

Condutores de veículos com Carteira Nacional de Habilitação (CNH) nas categorias C, D e E com exame toxicológico pendente têm até esta terça-feira (30) para regularizar a situação e fazer o exame obrigatório. O prazo para o primeiro grupo de condutores das categorias C, D e E – com vencimento da CNH entre janeiro e junho deste ano – terminou em 31 de março. Após esta data, o Código de Trânsito Brasileiro concede mais 30 dias para que os motoristas realizem o exame e comprovem que não fizeram uso de drogas e/ou medicamentos estimulantes.

Desde março de 2016, o Código de Trânsito Brasileiro determina que os condutores das categorias C, D e E deverão comprovar resultado negativo em exame toxicológico para a obtenção e a renovação da habilitação. A obrigação vale também na pré-admissão e demissão de motoristas profissionais.

O objetivo é identificar o consumo de drogas, o que pode interferir na capacidade psicomotora dos condutores e, assim, aumentar o risco na direção de veículos pesados para a ocorrência de acidentes de trânsito.

O diretor da Associação Brasileira de Toxicologia (ABTox), Pedro Ducci Serafim, disse à Agência Brasil que a exigência salva vidas no trânsito.

“O exame toxicológico é uma política pública de eficácia comprovada na redução de acidentes e mortes no trânsito. Estudos mostram redução de mais de 30% em acidentes fatais depois da sua implementação”, observou.

Para a Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran), mais de 3,4 milhões de condutores das categorias C, D e E ainda não regularizaram a situação em todo o Brasil. Para os condutores com CNHs que vencem entre julho e dezembro, as multas começam a ser aplicadas em 31 de maio.

Infração

O exame laboratorial é exigido até mesmo para quem não estiver dirigindo nestas categorias. Caso esses motoristas não façam o teste até esta terça-feira (30), podem ser multados diretamente pelos sistemas eletrônicos dos Detrans estaduais e do Distrito Federal  a partir de 1º de maio, conforme sanções previstas no artigo 165-D do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

A não realização do exame no período estabelecido é considerada infração gravíssima, sujeita a uma multa automática de R$ 1.467,35 e sete pontos na CNH.

Essas multas são apelidadas de multas de balcão porque estão associadas ao não cumprimento de uma obrigação administrativa, diferentemente das infrações cometidas na direção do veículo automotor.

Verificação

Os motoristas podem consultar se precisam ou não fazer o teste no portal de serviços da secretaria. Basta informar CPF, data de nascimento e data de validade da CNH nos espaços indicados para ter o detalhamento de prazos, vencimentos e alertas.

Outra forma de acesso às informações é o aplicativo da carteira digital de trânsito. Na área do condutor, o motorista também pode verificar se o exame toxicológico está em dia. No caso de o prazo ter vencido, o condutor deve buscar um dos laboratórios credenciados e fazer a coleta para a realização do exame toxicológico, em laboratórios especializados credenciados pela Senatran.

Camille Lages, diretora de Comunicação da ABTox, celebrou a disponibilização da página para consulta. “Essa ferramenta que o governo trouxe é muito importante para que os motoristas consultem se estão adimplentes com o exame toxicológico porque muitos deles não têm a carteira de habilitação digital baixada no celular e precisam dessa ferramenta para poder cumprir a obrigação até 30 de abril,” esclarece.

Não é necessária receita médica para fazer o exame, apenas a habilitação do condutor (CNH).

Exame

O exame toxicológico deve ser realizado pelos motoristas no momento da renovação da CNH nas categorias C, D ou E a cada dois anos e meio pelos condutores profissionais. Deve ser realizado independentemente da idade do condutor. Os motoristas com mais de 70 anos não precisam renovar o teste toxicológico antes do vencimento da CNH, que tem validade de três anos.

O teste laboratorial de amostras de cabelo, pele ou unha identifica se houve uso abusivo de substâncias psicoativas em um período de 90 a 180 dias anteriores à coleta (larga janela de detecção). Isto porque a queratina presente nos cabelos preserva as substâncias que foram consumidas e metabolizadas por mais tempo que o sangue e a urina, por exemplo.

O exame toxicológico não existe no modelo autoteste, portanto, é vedada a coleta da própria amostra para análise. O procedimento tem que ser feito por um laboratório, exclusivamente, em postos de coleta para garantir a segurança dos resultados. A coleta rápida -aproximadamente de 10 a 15 minutos – é classificada pelos laboratórios como não invasiva, não infectante e indolor.

Atualmente, são 17 laboratórios credenciados na Senatran, que formam a rede de coleta com mais de 13 mil unidades espalhadas em mais de cinco mil municípios em todo o país. O exame pode detectar pelo menos 12 substâncias: Acetilmorfina (heroína); Anfepramona; Anfetamina; cocaína e derivados (crack, merla); Codeína; Femproporex; Mazindol; MDA; MDMA; Metanfetamina; Morfina; e maconha e derivados (skunk, haxixe).

O preço médio do exame toxicológico é R$ 135 e pode variar conforme a região do país. Os exames exigidos pela Senatran, em geral, são  custeados pelos motoristas autônomos, mas podem ser bancados por empregadores.

Os laboratórios credenciados devem inserir o resultado no banco de dados do Registro Nacional de Condutores Habilitados (Renash) para controle dos órgãos de trânsito. No entanto, os laudos são sigilosos e entregues somente aos examinados. Portanto, não podem ser divulgados, por exemplo, ao empregador do motorista profissional.

Categorias da CNH

Os motoristas da categoria C dirigem veículos maiores como caminhões, caminhonetes e vans de carga, além dos carros, picapes e vans de carga. A categoria D da CNH permite a condução de veículos automotores e elétricos, destinados ao transporte coletivo de passageiros com mais de oito lugares, como vans, micro-ônibus e ônibus.

Na categoria E, habilitados podem dirigir ônibus articulados; caminhões tracionando carretas; veículos com trailers e demais modelos de veículos automotores.

Fonte: Agência Brasil

Abril Laranja: Mês da Prevenção Contra a Crueldade Animal

O Departamento de Proteção Animal (DPA) e o Centro de Acolhimento de Animais de Botucatu (CAAB) se uniram ao Abril Laranja, campanha dedicada à luta contra a crueldade animal.

A iniciativa busca fortalecer, no Município, a prevenção contra a crueldade animal. Ela é fundamentada na campanha homônima promovida desde 2006 durante o mês de abril pela Sociedade Americana de Prevenção à Crueldade contra Animais – American Society for the Prevention of Cruelty to Animals (ASPCA).

Conforme o Índice de Abandono Animal (estudo liderado pela empresa Mars em parceria com especialistas e organizações de bem-estar animal), 1 a cada 3 animais no mundo estão em situação de rua.

De acordo com esta mesma pesquisa, o Brasil possui mais de 30 milhões de cães e gatos em situação de rua e, deste total, 185 mil estão sob a tutela provisória de abrigos.

Estas estatísticas reforçam a necessidade de orientar e conscientizar a população sobre a guarda responsável na tentativa de prevenir o abandono animal.

O DPA, responsável por receber e fiscalizar as denúncias de maus-tratos aos cães e gatos de Botucatu, atendeu somente no ano de 2023, um total de 986 ocorrências e diversas pessoas foram multadas e até mesmo presas.

Do início deste ano até agora já foram 430 denúncias recebidas, com previsão de superar o ano anterior.

Este é um sinal de alerta que requer a união de esforços para investir nas estratégias de manejo humanitário da população de cães e gatos do município.

Importante lembrar que no Brasil o abandono de animais é considerado um ato de maus-tratos e é crime previsto pela Lei Federal 9.605/98.

Como promover a guarda responsável?

Primeiramente, deve-se saber que ter um animal de estimação é criar uma relação de amor e cuidados para toda a vida do animal. O tutor deve sempre cuidar do bem-estar e garantir que o animal tenha qualidade de vida.

Para isso, ele precisa de um ambiente limpo, adequado e que permita que o animal expresse suas características de acordo com a espécie e porte, além de receber alimentação de boa qualidade e cuidados para sua saúde física e psicológica.

 Como fazer isso?

Cuidados com a saúde do seu pet: o acompanhamento médico-veterinário periódico é imprescindível, bem como realizar exames, vacinar e fazer o controle de vermes e parasitos.

Passeios apenas na guia: não permitir que seu animal tenha acesso à rua sem supervisão a fim de protegê-los de uma série de perigos como acidentes de trânsito, atropelamentos e exposição às doenças infectocontagiosas. Além de evitar o risco de brigas com outros animais e até mesmo ataques às pessoas.

 Castração dos cães e gatos: castrar seus animais de estimação é uma medida essencial e obrigatória no município de Botucatu, sendo fundamental no controle da reprodução indesejada e aumento desordenado da população animal. A superpopulação é um sério problema que leva ao abandono e ao sofrimento animal.

Microchipagem: assim como a castração, esta é uma medida obrigatória no município de Botucatu, sendo fundamental para garantir o registro e identificação dos animais para que, em casos de fugas, os tutores possam ser identificados e tenham seus animais de volta.

Saiba mais

A Lei n° 6.315/2022, do município de Botucatu/SP, dispõe sobre Política de Bem-estar de Animais Domésticos, controle populacional de cães e gatos, estímulo à posse responsável e incentivo a adoção de animais e a proteção de animais domésticos.

Canais de comunicação para denúncias de crueldade animal em Botucatu:

Departamento de Proteção Animal de Botucatu (DPA)

De segunda a sexta-feira – das 8 às 17 horas.

Telefone: (14) 3811-4915

WhatsApp: (14) 9.9800-8351 (apenas mensagens)

E-mail: protecaoanimal@botucatu.sp.gov.br

Centro de Acolhimentos de Animais de Botucatu (CAAB)

(14) 3811-1515

Horário de Atendimento:

Segunda à sexta-feira – das 8 às 17 horas

Guarda Civil Municipal (GCM)

Tel.: 153

Segunda à sexta-feira (após às 17 horas, finais de semana e feriados).

Delegacia Eletrônica de Proteção Animal (DEPA) 181 ou (11) 3338-0155 / 1380

 

QAMAR Comunicação