Home > Coluna Renato Ruiz Lopes > Porque um céu tão distante?

Porque um céu tão distante?

Eu estava com meus filhos na sala de espera do dentista. Uma família formada por uma mãe, uma pré-adolescente e uma criança de aproximadamente oito anos, também aguardavam sentados em nossa frente conversando entre eles. A mãe olhou para filha e disse que naquela semana eles teriam mais algumas atividades religiosas, na igreja. A menina respondeu com uma fala decepcionada, dizendo sobre a falta de tempo para viver. A mãe com poder inquisidor disse as seguintes palavras que não vou esquecer:

‘Minha filha, nosso lugar não é aqui, estamos pensando no céu’.

Aquilo mexeu comigo por alguns motivos. O que temos feito e ensinado as futuras gerações? Qual vida damos a eles? O primeiro deles é porque minha vontade era falar com aquela mãe sobre a vida, sobre o viver, e sobre o céu que já pode ser vivido hoje.

Segundo lugar, é que me entristeceu profundamente, esse é o pensamento da maioria cristã. Uma fé que leva pro céu. Uma fé que pouco se conecta nesse mundo aqui.

Terceiro, a meritocracia cristã, a perspectiva de merecimento e conquista pela dedicação a ‘obra de Deus’ (a saber instituição religiosa e pré-requisitos no caso).

Creio que os três pontos citados acima estão conectados entre si. Tenho entendido a necessidade de falar da Vida para quem pensa viver. É impressionante a alienação que vive o povo que se converte ao cristianismo (creio que acontece em outras religiões também, mas falo por mim como cristão). Muitas pessoas querem e precisam viver.

Sinto-me motivado em ajuda-las e ser ajudado nesse processo de libertação.

A perspectiva fictícia e metafisica do céu pós morte, prejudica o processo saudável de conversão a Deus e ao próximo. Essa conversão real acontece aqui, enquanto vivemos temos esse sagrado privilegio de se conectar com Deus servindo uns aos outros. Mas os cristãos a muito tempo escolheram as fábulas, as mazelas belicosas da religião. Isso não de hoje nem de agora. É fruto de fatos do passado que não foram bem avaliados e tornaram-se cancerígenos nas teias mais profundas dos templos, de cada canto, cada letra e cada coração da I

Mas ainda assim o desejo idiolátrico quase que gnóstico (tão combatido por Paulo no início dos anos pós Cristo), ecoam do fundo da alma dos cristãos contemporâneos.

Buscam a ‘gnose’, o meio, a chave pela qual vão se conectar com o Sagrado e desfrutar dos privilégios de quem descobriu o grande segredo.

Precisamos urgentemente reinterpretar a vida e nossa aplicação do que Jesus ensinou. Dietrich Bonhoeffer disse certa vez:

‘Devemos reaprender a compreender o significado da solidariedade humana: Deus quer seres humanos, não fantasmas que evitam o mundo. Ele fez da terra nossa mãe. Se você tem anseio por Deus, abrace o mundo; quer encontrar a eternidade, sirva no momento presente.’

Orei por aquela menina, espero poder um dia conversar com ela. Por enquanto vou falando com quem posso e deseja.

Renato Ruiz Lopes

Sobre FERNANDO BRUDER TEODORO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
x

Veja Também

Rompimento de adutora causa imenso vazamento no Residencial Bem te Vi

Uma imagem inusitada vista por moradores do jardim Continental chamou a atenção na tarde desta quarta-feira, 22 em Botucatu. Um ...